news:

Sul de Minas

"Ser homossexual não é coisa de Deus", ouviu homem demitido por cabelo platinado

Publicado por TV Minas em 17/09/2020 às 00h59 - Atualizado em 16/09/2020 às 22h00

foto_principal.jpg

Unidade das Lojas Americanas em Guaxupé tem de indenizar ex-funcionário em R$ 8 mil por assédio moral.

 

A unidade das Lojas Americanas de Guaxupé, foi obrigada a indenizar um ex-funcionário em R$ 8 mil por homofobia. O caso aconteceu depois que o homem platinou os cabelos. Com receio de ser demitida, a vítima chegou a pintar o cabelo novamente, na cor natural, mas não teve jeito. A Justiça entendeu que a dispensa foi discriminatória. A decisão é da sexta turma do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG).
 

De acordo com Felipe Zingara Faim, advogado da vítima, o cliente foi contratado como auxiliar de loja e teria sofrido o assédio moral durante o trabalho. “Ele procurou o nosso escritório dizendo que platinou os cabelos e passou a sofrer discriminação pelos gerentes. Eles fizeram piadas homofóbicas e chegaram a dizer para ele voltar para cor natural”, explica.

 

Ainda de acordo com o advogado, o homem disse que, quando foi contratado, ninguém perguntou a respeito da orientação sexual dele. “Para ele, o estilo do cabelo e sua orientação sexual não influenciariam em nada no exercício de suas atividades”, afirma.
 

Segundo o TRT, uma testemunha confirmou que o homem virou motivo de chacota no trabalho. ”Os superiores chegaram a sugerir que, caso não pintasse os cabelos novamente, o auxiliar de loja seria dispensado. Que o platinado não fazia o perfil da loja. Chegaram a dizer que ser homossexual não era coisa de Deus”, confirmou a mulher para a Justiça.

 

A juíza Gisele de Cássia Vieira Dias Macedo, relatora no processo, entendeu que as ofensas foram homofóbicas e determinou a indenização no valor de R$ 8 mil ao trabalhador.

 

A assessoria de imprensa das Lojas Americanas enviou nota, mas não deu detalhes sobre o caso. “Americanas informa que o respeito entre seus associados está na base de sua cultura, e que repudia e pune com rigor qualquer prática discriminatória, seja ela de raça, social, de gênero ou orientação sexual, conforme disposto também em seu código de ética. A companhia afirma ainda que age continuamente para que este tipo de caso não ocorra”, diz.

Unidade das Lojas Americanas em Guaxupé tem de indenizar ex-funcionário em R$ 8 mil por assédio moral.


 


A unidade das Lojas Americanas de Guaxupé, foi obrigada a indenizar um ex-funcionário em R$ 8 mil por homofobia. O caso aconteceu depois que o homem platinou os cabelos. Com receio de ser demitida, a vítima chegou a pintar o cabelo novamente, na cor natural, mas não teve jeito. A Justiça entendeu que a dispensa foi discriminatória. A decisão é da sexta turma do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG).
 


De acordo com Felipe Zingara Faim, advogado da vítima, o cliente foi contratado como auxiliar de loja e teria sofrido o assédio moral durante o trabalho. “Ele procurou o nosso escritório dizendo que platinou os cabelos e passou a sofrer discriminação pelos gerentes. Eles fizeram piadas homofóbicas e chegaram a dizer para ele voltar para cor natural”, explica.


 


PATROCINADORES

Ainda de acordo com o advogado, o homem disse que, quando foi contratado, ninguém perguntou a respeito da orientação sexual dele. “Para ele, o estilo do cabelo e sua orientação sexual não influenciariam em nada no exercício de suas atividades”, afirma.
 


Segundo o TRT, uma testemunha confirmou que o homem virou motivo de chacota no trabalho. ”Os superiores chegaram a sugerir que, caso não pintasse os cabelos novamente, o auxiliar de loja seria dispensado. Que o platinado não fazia o perfil da loja. Chegaram a dizer que ser homossexual não era coisa de Deus”, confirmou a mulher para a Justiça.


 


A juíza Gisele de Cássia Vieira Dias Macedo, relatora no processo, entendeu que as ofensas foram homofóbicas e determinou a indenização no valor de R$ 8 mil ao trabalhador.


 


A assessoria de imprensa das Lojas Americanas enviou nota, mas não deu detalhes sobre o caso. “Americanas informa que o respeito entre seus associados está na base de sua cultura, e que repudia e pune com rigor qualquer prática discriminatória, seja ela de raça, social, de gênero ou orientação sexual, conforme disposto também em seu código de ética. A companhia afirma ainda que age continuamente para que este tipo de caso não ocorra”, diz.


Unidade das Lojas Americanas em Guaxupé tem de indenizar ex-funcionário em R$ 8 mil por assédio moral.



A unidade das Lojas Americanas de Guaxupé, foi obrigada a indenizar um ex-funcionário em R$ 8 mil por homofobia. O caso aconteceu depois que o homem platinou os cabelos. Com receio de ser demitida, a vítima chegou a pintar o cabelo novamente, na cor natural, mas não teve jeito. A Justiça entendeu que a dispensa foi discriminatória. A decisão é da sexta turma do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG).
 



De acordo com Felipe Zingara Faim, advogado da vítima, o cliente foi contratado como auxiliar de loja e teria sofrido o assédio moral durante o trabalho. “Ele procurou o nosso escritório dizendo que platinou os cabelos e passou a sofrer discriminação pelos gerentes. Eles fizeram piadas homofóbicas e chegaram a dizer para ele voltar para cor natural”, explica.



PATROCINADORES

Ainda de acordo com o advogado, o homem disse que, quando foi contratado, ninguém perguntou a respeito da orientação sexual dele. “Para ele, o estilo do cabelo e sua orientação sexual não influenciariam em nada no exercício de suas atividades”, afirma.
 



Segundo o TRT, uma testemunha confirmou que o homem virou motivo de chacota no trabalho. ”Os superiores chegaram a sugerir que, caso não pintasse os cabelos novamente, o auxiliar de loja seria dispensado. Que o platinado não fazia o perfil da loja. Chegaram a dizer que ser homossexual não era coisa de Deus”, confirmou a mulher para a Justiça.



A juíza Gisele de Cássia Vieira Dias Macedo, relatora no processo, entendeu que as ofensas foram homofóbicas e determinou a indenização no valor de R$ 8 mil ao trabalhador.



A assessoria de imprensa das Lojas Americanas enviou nota, mas não deu detalhes sobre o caso. “Americanas informa que o respeito entre seus associados está na base de sua cultura, e que repudia e pune com rigor qualquer prática discriminatória, seja ela de raça, social, de gênero ou orientação sexual, conforme disposto também em seu código de ética. A companhia afirma ainda que age continuamente para que este tipo de caso não ocorra”, diz.



Veja Também