news:

Notícias

Minas sobe uma posição no Ranking de Competitividade dos Estados

Publicado por TV Minas em 17/09/2020 às 13h39 - Atualizado às 10h39

foto_principal.jpg

Depois de apresentar queda de duas posições no ano passado, estado voltou a reagir na lista, que leva em conta 10 pilares.

 

Depois de cair do 6º para o 8º no ano passado, Minas Gerais melhorou sua posição no Ranking de Competitividade dos Estados, medido pelo Centro de Liderança Pública (CLP). Na edição 2020 do levantamento, que será divulgado nesta quinta-feira (17) em São Paulo, Minas ganhou uma posição, chegando ao 7º lugar.

 

Fundado pelo cientista político Luiz Felipe d’Avila, o Centro de Liderança Pública é uma organização suprapartidária que busca enfrentar os problemas mais urgentes do Brasil, com conteúdos e iniciativas, como o próprio Ranking de Competitividade dos Estados, que reúne dados para auxiliar gestores públicos a diagnosticar problemas e elencar prioridades. Ao todo, 20 estados utilizam a funcionalidade.

 

O ranking, que leva em conta 10 quesitos, com 68 indicadores ao todo, é uma forma de avaliar a gestão pública das 27 unidades federativas do país. Os temas de análise foram divididos em: Infraestrutura, Sustentabilidade Social, Segurança Pública, Educação, Solidez Fiscal, Eficiência da Máquina Pública, Capital Humano, Sustentabilidade Ambiental, Potencial de Mercado e Inovação.

 

Dos temas, Minas apresentou avanço em relação a 2019 em Eficiência da Máquina Pública (subindo quatro posições, chegando ao 6º lugar), Capital Humano (subindo três posições, chegando ao 16º lugar), Segurança Pública (subindo duas posições, chegando ao 7º lugar) e Solidez Fiscal (subindo duas posições, chegando ao 24º lugar). 

 

No entanto, o estado caiu seis casas em Infraestrutura, ficando na 18ª posição, mesmo lugar em que ficou no quesito Potencial de Mercado, que representou uma queda de quatro degraus.

 

No ranking deste ano, Minas se destacou em Educação, onde ficou na 3ª posição; Inovação, quesito no qual o estado figura na 5ª posição; Sustentabilidade Social, em 6º lugar e Segurança Pública.

 

Assim como nas edições 2018 e 2019, São Paulo segue liderando o ranking, com Santa Catarina  na segunda posição. O "top 4" é completado por Santa Catarina e Distrito Federal. Apesar de os estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste estarem dominando a metade superior da lista, Amapá e Maranhão se destacaram nesta edição, apresentando o maior crescimento, com três posições acima cada. O Rio de Janeiro, por outro lado, foi o único estado do Sudeste a perder posição e ficar de fora dos dez estados mais competitivos.

 

Os últimos colocados foram Roraima, Piauí e Acre.

Depois de apresentar queda de duas posições no ano passado, estado voltou a reagir na lista, que leva em conta 10 pilares.


 


Depois de cair do 6º para o 8º no ano passado, Minas Gerais melhorou sua posição no Ranking de Competitividade dos Estados, medido pelo Centro de Liderança Pública (CLP). Na edição 2020 do levantamento, que será divulgado nesta quinta-feira (17) em São Paulo, Minas ganhou uma posição, chegando ao 7º lugar.


 


Fundado pelo cientista político Luiz Felipe d’Avila, o Centro de Liderança Pública é uma organização suprapartidária que busca enfrentar os problemas mais urgentes do Brasil, com conteúdos e iniciativas, como o próprio Ranking de Competitividade dos Estados, que reúne dados para auxiliar gestores públicos a diagnosticar problemas e elencar prioridades. Ao todo, 20 estados utilizam a funcionalidade.


 


O ranking, que leva em conta 10 quesitos, com 68 indicadores ao todo, é uma forma de avaliar a gestão pública das 27 unidades federativas do país. Os temas de análise foram divididos em: Infraestrutura, Sustentabilidade Social, Segurança Pública, Educação, Solidez Fiscal, Eficiência da Máquina Pública, Capital Humano, Sustentabilidade Ambiental, Potencial de Mercado e Inovação.


 


PATROCINADORES

Dos temas, Minas apresentou avanço em relação a 2019 em Eficiência da Máquina Pública (subindo quatro posições, chegando ao 6º lugar), Capital Humano (subindo três posições, chegando ao 16º lugar), Segurança Pública (subindo duas posições, chegando ao 7º lugar) e Solidez Fiscal (subindo duas posições, chegando ao 24º lugar). 


 


No entanto, o estado caiu seis casas em Infraestrutura, ficando na 18ª posição, mesmo lugar em que ficou no quesito Potencial de Mercado, que representou uma queda de quatro degraus.


 


No ranking deste ano, Minas se destacou em Educação, onde ficou na 3ª posição; Inovação, quesito no qual o estado figura na 5ª posição; Sustentabilidade Social, em 6º lugar e Segurança Pública.


 


Assim como nas edições 2018 e 2019, São Paulo segue liderando o ranking, com Santa Catarina  na segunda posição. O "top 4" é completado por Santa Catarina e Distrito Federal. Apesar de os estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste estarem dominando a metade superior da lista, Amapá e Maranhão se destacaram nesta edição, apresentando o maior crescimento, com três posições acima cada. O Rio de Janeiro, por outro lado, foi o único estado do Sudeste a perder posição e ficar de fora dos dez estados mais competitivos.


 


Os últimos colocados foram Roraima, Piauí e Acre.


Depois de apresentar queda de duas posições no ano passado, estado voltou a reagir na lista, que leva em conta 10 pilares.



Depois de cair do 6º para o 8º no ano passado, Minas Gerais melhorou sua posição no Ranking de Competitividade dos Estados, medido pelo Centro de Liderança Pública (CLP). Na edição 2020 do levantamento, que será divulgado nesta quinta-feira (17) em São Paulo, Minas ganhou uma posição, chegando ao 7º lugar.



Fundado pelo cientista político Luiz Felipe d’Avila, o Centro de Liderança Pública é uma organização suprapartidária que busca enfrentar os problemas mais urgentes do Brasil, com conteúdos e iniciativas, como o próprio Ranking de Competitividade dos Estados, que reúne dados para auxiliar gestores públicos a diagnosticar problemas e elencar prioridades. Ao todo, 20 estados utilizam a funcionalidade.



PATROCINADORES

O ranking, que leva em conta 10 quesitos, com 68 indicadores ao todo, é uma forma de avaliar a gestão pública das 27 unidades federativas do país. Os temas de análise foram divididos em: Infraestrutura, Sustentabilidade Social, Segurança Pública, Educação, Solidez Fiscal, Eficiência da Máquina Pública, Capital Humano, Sustentabilidade Ambiental, Potencial de Mercado e Inovação.



Dos temas, Minas apresentou avanço em relação a 2019 em Eficiência da Máquina Pública (subindo quatro posições, chegando ao 6º lugar), Capital Humano (subindo três posições, chegando ao 16º lugar), Segurança Pública (subindo duas posições, chegando ao 7º lugar) e Solidez Fiscal (subindo duas posições, chegando ao 24º lugar). 



PATROCINADORES

No entanto, o estado caiu seis casas em Infraestrutura, ficando na 18ª posição, mesmo lugar em que ficou no quesito Potencial de Mercado, que representou uma queda de quatro degraus.



No ranking deste ano, Minas se destacou em Educação, onde ficou na 3ª posição; Inovação, quesito no qual o estado figura na 5ª posição; Sustentabilidade Social, em 6º lugar e Segurança Pública.



Assim como nas edições 2018 e 2019, São Paulo segue liderando o ranking, com Santa Catarina  na segunda posição. O "top 4" é completado por Santa Catarina e Distrito Federal. Apesar de os estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste estarem dominando a metade superior da lista, Amapá e Maranhão se destacaram nesta edição, apresentando o maior crescimento, com três posições acima cada. O Rio de Janeiro, por outro lado, foi o único estado do Sudeste a perder posição e ficar de fora dos dez estados mais competitivos.



Os últimos colocados foram Roraima, Piauí e Acre.



Veja Também