news:

Esporte

Em noite de muitos gols, Atlético chega à liderança e Cruzeiro perde para o CSA

Publicado por TV Minas em 20/09/2020 às 14h08

foto_principal.jpg

Foram 11 gols em 2 jogos. A noite de sábado foi marcada por partidas dos gigantes mineiros. Uma parte de Minas saiu vitoriosa, assumiu a liderança e viu Keno marcar 3 gols. A outra parte do estado foi derrotada, chegou a 15ª posição e viu a sua sólida defesa falhar bastante.

 

O Galo venceu o Atlético-GO por 4 a 3, em um jogo maluco e animado. Já a Raposa perdeu para o CSA por 3 a 1, todos os gols do time alagoano marcados de cabeça. Ambos jogaram fora de casa neste sábado,19.

 

 

Cruzeiro tropeça nos próprios erros

 

A defesa cruzeirense, durante toda esta crise enfrentada pela equipe, se manteve sólida e regular. No entanto, a derrota deste sábado, 19, contra o CSA, por 3 a 1, marcou uma atuação ruim da parte defensiva, principalmente dos zagueiros Léo e Cacá.

 

Todos os gols da equipe alagoana aconteceram em cabeçadas, onde o goleiro Fábio praticamente não teve o que fazer. Ney Franco até que tentou fazer substituições, mudou o esquema tático algumas vezes, conseguiu ter a posse da bola, mas a Raposa errou muito e acabou sendo derrotada.

 

Com o revés, o Cruzeiro voltou a ficar próximo da zona do rebaixamento para a Série C. O time mineiro é o 15º colocado, com a mesma pontuação do Guarani, o 17º. O ponto preocupante é que a Raposa tem um jogo a mais em relação ao Botafogo-SP e o CSA, adversário desta noite de sábado.

 

Em campo, o time mineiro teve a bola, finalizou mais que o CSA, todavia não conseguiu criar grandes oportunidades, diferentemente do time alagoano. O algoz da fatídica partida em 2019 atacou novamente e derrotou a Raposa.

 

O Cruzeiro começou em cima no 1º tempo. Marcando alto e pressionando. Logo no minuto inicial, Airton tabelou com Régis e acertou a trave. Porém os primeiros minutos bem jogados pela equipe mineira foram apagados pelas falhas defensivas em seguida.

 

Aos 11 minutos, Diego Renan bateu escanteio, Pimpão raspou e o zagueiro Cleberson, livre, testou firme. 17 minutos depois, Rafinha cobrou falta da direita e Alan Costa, o outro zagueiro, cabeceou e marcou. A defesa vacilou e a vantagem do CSA foi construída.

 

Ney Franco tentou mexer no time. Mudou muito a equipe, mas não conseguiu alterar o desempenho. A disputa da partida se concentrou em dois jovens jogadores: Matheus Pereira e Matheus Mendes.

 

Da base do Cruzeiro à titularidade, Matheus Pereira é o único ponto positivo da partida. Ele apresentou muita maturidade e participou das melhores chances do time azul celeste. Finalizou 4 vezes, número alto para um lateral esquerdo, mas encontrou Matheus Mendes em uma noite inspirada.

 

Cria da base do Atlético, o goleiro Matheus Mendes chegou nesta semana, emprestado pelo Galo, e foi titular nas duas partidas. Fez um bom jogo e só foi superado uma vez, em uma boa jogada do seu “xará”, Matheus Pereira. O lateral antecipou uma bola aérea, tabelou com Roberson e fez o único gol cruzeirense.

 

Mas apenas 4 minutos após balançar as redes, o Cruzeiro levou o gol que sacramentou a vitória do CSA. Em cruzamento de Pedro Júnior, Pedro Lucas cabeceou sozinho e definiu o placar para a equipe alagoana. 3 a 1 para o CSA, que deixou a lanterna da Série B. Rodrigo Pimpão, atacante do CSA, até foi expulso, porém não fez muita falta. A vitória já havia sido consolidada.

 

Uma noite ruim do Cruzeiro. Ney Franco tentou, mas não houve retorno em campo. Neste domingo, o blog Bola Pra Frente irá fazer uma análise mais detalhada sobre a atuação do Cruzeiro.

 

 

Keno, Nathan e Sampaoli: personagens de uma grande vitória

 

7 gols. 4 a 3 no placar. “Hat trick” de Keno. Nathan entrando no 2º tempo e fazendo a diferença. Sampaoli, como de costume, mexendo bem na equipe. Pontos cruciais de uma enorme vitória do Atlético. No entanto, é importante destacar a grande partida feita pelo Atlético-GO, que deu muito trabalho ao Galo.

 

Um confronto de dois times organizados. 1º tempo do Dragão. 2º tempo do Galo. Venceu quem aproveitou melhor as oportunidades. Um grande jogo aconteceu em Goiânia, neste sábado, 19, e o placar de 4 a 3 ilustra bem isso.

 

O Galo ganhou. O Galo assumiu a liderança. O Galo ainda tem um jogo a menos, em relação ao Internacional. Aproveitando o tropeço do Colorado, o Atlético venceu o “xará” goianiense e alcançou os 70% de aproveitamento no Brasileirão, um ótimo número atleticano.

 

A partida se desenhou como um dos grandes jogos do Brasileirão. Desde o 1º minuto, o time goiano tentou aproveitar todos os erros do Galo. Na 1ª parte o Atlético-GO conseguiu algumas vezes, principalmente no lado direito da defesa alvinegra. Foi deste lado que, aos 20 minutos, teve início a jogada do 1º gol. Após a zaga atleticana tirar, o volante Oliveira acertou um chute raro, indefensável.

 

Alguns minutos antes, Éverson já havia feito uma grande defesa, em chute de Gustavo Ferrareis. Alan Franco, em boa jogada de Keno, também fez Jean trabalhar na 1ª etapa.

 

O Galo até balançou as redes na 1ª parte. Porém, o impedimento foi marcado corretamente no gol de Savarino. O 1º tempo se encerrou em uma chance claríssima perdida por Keno. Ele estava ganhando no drible, porém errava nas finalizações.

 

Seria outra noite apagada para o ponta esquerda? Não. Keno voltou inspirado do vestiário e resolveu o jogo. Sampaoli colocou Nathan e Igor Rabello, resolveu em partes o problema na ala direita e conseguiu melhorar a criação, com uma ótima exibição de Nathan.

 

Aos 5 minutos, Nathan foi derrubado na área, após boa tabela com o apagado Eduardo Sasha. Pênalti muito bem convertido por Keno, marcando seu 1º gol no Brasileirão e tirando a pressão que carregava.

 

O Atlético estava empolgado atrás do empate, mas viu Gustavo Ferrareis colocar o Dragão na frente novamente. Em boa trama de Janderson e Ferrareis, o atleta bateu no canto de Éverson, apenas 4 minutos depois do gol de Keno.

 

Porém Nathan e Keno não estavam para brincadeira. Em excelente jogada de Savarino, Nathan chegou livre e aproveitou o cruzamento com uma bela chapada. Era o empate aos 14 minutos.

 

Aos 19, a virada. Keno aproveitou erro bisonho do meio-campo do Atlético-GO, acelerou e bateu no canto de Jean. O placar marcava 3 a 2, porém Keno queria mais. Aos 31, o ponta finalizou forte de fora da área e carimbou o travessão. Na jogada seguinte, Mariano colocou com perfeição na cabeça de Keno. Era o famoso hat-trick de Keno, digno de música.

 

Nathan ainda assustou o goleiro Jean, dois minutos depois. Ele chutou do meio-campo, com a perna ruim, e forçou o goleiro a fazer excelente defesa. Do lado atleticano, Éverson também fez uma excepcional intervenção. Aos 48, Matheusinho chutou e, de forma impressionante, Éverson salvou.

 

No minuto seguinte, o terceiro gol do Atlético-GO. Gilvan subiu e testou firme para a meta atleticana. 4 a 3 no marcador e fim de jogo.

 

Líder. Um jogo emocionante e muito bom tecnicamente. O Galo venceu por causa de um 2º tempo muito bom, o qual compensou os erros da 1ª parte. Neste domingo, o blog Bola Pra Frente irá fazer uma análise mais detalhada sobre a atuação do Atlético.

Foram 11 gols em 2 jogos. A noite de sábado foi marcada por partidas dos gigantes mineiros. Uma parte de Minas saiu vitoriosa, assumiu a liderança e viu Keno marcar 3 gols. A outra parte do estado foi derrotada, chegou a 15ª posição e viu a sua sólida defesa falhar bastante.


 


O Galo venceu o Atlético-GO por 4 a 3, em um jogo maluco e animado. Já a Raposa perdeu para o CSA por 3 a 1, todos os gols do time alagoano marcados de cabeça. Ambos jogaram fora de casa neste sábado,19.


 


 


Cruzeiro tropeça nos próprios erros


 


A defesa cruzeirense, durante toda esta crise enfrentada pela equipe, se manteve sólida e regular. No entanto, a derrota deste sábado, 19, contra o CSA, por 3 a 1, marcou uma atuação ruim da parte defensiva, principalmente dos zagueiros Léo e Cacá.


 


Todos os gols da equipe alagoana aconteceram em cabeçadas, onde o goleiro Fábio praticamente não teve o que fazer. Ney Franco até que tentou fazer substituições, mudou o esquema tático algumas vezes, conseguiu ter a posse da bola, mas a Raposa errou muito e acabou sendo derrotada.


 


Com o revés, o Cruzeiro voltou a ficar próximo da zona do rebaixamento para a Série C. O time mineiro é o 15º colocado, com a mesma pontuação do Guarani, o 17º. O ponto preocupante é que a Raposa tem um jogo a mais em relação ao Botafogo-SP e o CSA, adversário desta noite de sábado.


 


Em campo, o time mineiro teve a bola, finalizou mais que o CSA, todavia não conseguiu criar grandes oportunidades, diferentemente do time alagoano. O algoz da fatídica partida em 2019 atacou novamente e derrotou a Raposa.


 


O Cruzeiro começou em cima no 1º tempo. Marcando alto e pressionando. Logo no minuto inicial, Airton tabelou com Régis e acertou a trave. Porém os primeiros minutos bem jogados pela equipe mineira foram apagados pelas falhas defensivas em seguida.


 


Aos 11 minutos, Diego Renan bateu escanteio, Pimpão raspou e o zagueiro Cleberson, livre, testou firme. 17 minutos depois, Rafinha cobrou falta da direita e Alan Costa, o outro zagueiro, cabeceou e marcou. A defesa vacilou e a vantagem do CSA foi construída.


 


Ney Franco tentou mexer no time. Mudou muito a equipe, mas não conseguiu alterar o desempenho. A disputa da partida se concentrou em dois jovens jogadores: Matheus Pereira e Matheus Mendes.


 


Da base do Cruzeiro à titularidade, Matheus Pereira é o único ponto positivo da partida. Ele apresentou muita maturidade e participou das melhores chances do time azul celeste. Finalizou 4 vezes, número alto para um lateral esquerdo, mas encontrou Matheus Mendes em uma noite inspirada.


 


Cria da base do Atlético, o goleiro Matheus Mendes chegou nesta semana, emprestado pelo Galo, e foi titular nas duas partidas. Fez um bom jogo e só foi superado uma vez, em uma boa jogada do seu “xará”, Matheus Pereira. O lateral antecipou uma bola aérea, tabelou com Roberson e fez o único gol cruzeirense.


 


Mas apenas 4 minutos após balançar as redes, o Cruzeiro levou o gol que sacramentou a vitória do CSA. Em cruzamento de Pedro Júnior, Pedro Lucas cabeceou sozinho e definiu o placar para a equipe alagoana. 3 a 1 para o CSA, que deixou a lanterna da Série B. Rodrigo Pimpão, atacante do CSA, até foi expulso, porém não fez muita falta. A vitória já havia sido consolidada.


 


Uma noite ruim do Cruzeiro. Ney Franco tentou, mas não houve retorno em campo. Neste domingo, o blog Bola Pra Frente irá fazer uma análise mais detalhada sobre a atuação do Cruzeiro.


 


PATROCINADORES

 


Keno, Nathan e Sampaoli: personagens de uma grande vitória


 


7 gols. 4 a 3 no placar. “Hat trick” de Keno. Nathan entrando no 2º tempo e fazendo a diferença. Sampaoli, como de costume, mexendo bem na equipe. Pontos cruciais de uma enorme vitória do Atlético. No entanto, é importante destacar a grande partida feita pelo Atlético-GO, que deu muito trabalho ao Galo.


 


Um confronto de dois times organizados. 1º tempo do Dragão. 2º tempo do Galo. Venceu quem aproveitou melhor as oportunidades. Um grande jogo aconteceu em Goiânia, neste sábado, 19, e o placar de 4 a 3 ilustra bem isso.


 


O Galo ganhou. O Galo assumiu a liderança. O Galo ainda tem um jogo a menos, em relação ao Internacional. Aproveitando o tropeço do Colorado, o Atlético venceu o “xará” goianiense e alcançou os 70% de aproveitamento no Brasileirão, um ótimo número atleticano.


 


A partida se desenhou como um dos grandes jogos do Brasileirão. Desde o 1º minuto, o time goiano tentou aproveitar todos os erros do Galo. Na 1ª parte o Atlético-GO conseguiu algumas vezes, principalmente no lado direito da defesa alvinegra. Foi deste lado que, aos 20 minutos, teve início a jogada do 1º gol. Após a zaga atleticana tirar, o volante Oliveira acertou um chute raro, indefensável.


 


Alguns minutos antes, Éverson já havia feito uma grande defesa, em chute de Gustavo Ferrareis. Alan Franco, em boa jogada de Keno, também fez Jean trabalhar na 1ª etapa.


 


O Galo até balançou as redes na 1ª parte. Porém, o impedimento foi marcado corretamente no gol de Savarino. O 1º tempo se encerrou em uma chance claríssima perdida por Keno. Ele estava ganhando no drible, porém errava nas finalizações.


 


Seria outra noite apagada para o ponta esquerda? Não. Keno voltou inspirado do vestiário e resolveu o jogo. Sampaoli colocou Nathan e Igor Rabello, resolveu em partes o problema na ala direita e conseguiu melhorar a criação, com uma ótima exibição de Nathan.


 


Aos 5 minutos, Nathan foi derrubado na área, após boa tabela com o apagado Eduardo Sasha. Pênalti muito bem convertido por Keno, marcando seu 1º gol no Brasileirão e tirando a pressão que carregava.


 


O Atlético estava empolgado atrás do empate, mas viu Gustavo Ferrareis colocar o Dragão na frente novamente. Em boa trama de Janderson e Ferrareis, o atleta bateu no canto de Éverson, apenas 4 minutos depois do gol de Keno.


 


Porém Nathan e Keno não estavam para brincadeira. Em excelente jogada de Savarino, Nathan chegou livre e aproveitou o cruzamento com uma bela chapada. Era o empate aos 14 minutos.


 


Aos 19, a virada. Keno aproveitou erro bisonho do meio-campo do Atlético-GO, acelerou e bateu no canto de Jean. O placar marcava 3 a 2, porém Keno queria mais. Aos 31, o ponta finalizou forte de fora da área e carimbou o travessão. Na jogada seguinte, Mariano colocou com perfeição na cabeça de Keno. Era o famoso hat-trick de Keno, digno de música.


 


Nathan ainda assustou o goleiro Jean, dois minutos depois. Ele chutou do meio-campo, com a perna ruim, e forçou o goleiro a fazer excelente defesa. Do lado atleticano, Éverson também fez uma excepcional intervenção. Aos 48, Matheusinho chutou e, de forma impressionante, Éverson salvou.


 


No minuto seguinte, o terceiro gol do Atlético-GO. Gilvan subiu e testou firme para a meta atleticana. 4 a 3 no marcador e fim de jogo.


 


Líder. Um jogo emocionante e muito bom tecnicamente. O Galo venceu por causa de um 2º tempo muito bom, o qual compensou os erros da 1ª parte. Neste domingo, o blog Bola Pra Frente irá fazer uma análise mais detalhada sobre a atuação do Atlético.


Foram 11 gols em 2 jogos. A noite de sábado foi marcada por partidas dos gigantes mineiros. Uma parte de Minas saiu vitoriosa, assumiu a liderança e viu Keno marcar 3 gols. A outra parte do estado foi derrotada, chegou a 15ª posição e viu a sua sólida defesa falhar bastante.



O Galo venceu o Atlético-GO por 4 a 3, em um jogo maluco e animado. Já a Raposa perdeu para o CSA por 3 a 1, todos os gols do time alagoano marcados de cabeça. Ambos jogaram fora de casa neste sábado,19.



Cruzeiro tropeça nos próprios erros



A defesa cruzeirense, durante toda esta crise enfrentada pela equipe, se manteve sólida e regular. No entanto, a derrota deste sábado, 19, contra o CSA, por 3 a 1, marcou uma atuação ruim da parte defensiva, principalmente dos zagueiros Léo e Cacá.



Todos os gols da equipe alagoana aconteceram em cabeçadas, onde o goleiro Fábio praticamente não teve o que fazer. Ney Franco até que tentou fazer substituições, mudou o esquema tático algumas vezes, conseguiu ter a posse da bola, mas a Raposa errou muito e acabou sendo derrotada.



Com o revés, o Cruzeiro voltou a ficar próximo da zona do rebaixamento para a Série C. O time mineiro é o 15º colocado, com a mesma pontuação do Guarani, o 17º. O ponto preocupante é que a Raposa tem um jogo a mais em relação ao Botafogo-SP e o CSA, adversário desta noite de sábado.



Em campo, o time mineiro teve a bola, finalizou mais que o CSA, todavia não conseguiu criar grandes oportunidades, diferentemente do time alagoano. O algoz da fatídica partida em 2019 atacou novamente e derrotou a Raposa.



O Cruzeiro começou em cima no 1º tempo. Marcando alto e pressionando. Logo no minuto inicial, Airton tabelou com Régis e acertou a trave. Porém os primeiros minutos bem jogados pela equipe mineira foram apagados pelas falhas defensivas em seguida.



Aos 11 minutos, Diego Renan bateu escanteio, Pimpão raspou e o zagueiro Cleberson, livre, testou firme. 17 minutos depois, Rafinha cobrou falta da direita e Alan Costa, o outro zagueiro, cabeceou e marcou. A defesa vacilou e a vantagem do CSA foi construída.



PATROCINADORES

Ney Franco tentou mexer no time. Mudou muito a equipe, mas não conseguiu alterar o desempenho. A disputa da partida se concentrou em dois jovens jogadores: Matheus Pereira e Matheus Mendes.



Da base do Cruzeiro à titularidade, Matheus Pereira é o único ponto positivo da partida. Ele apresentou muita maturidade e participou das melhores chances do time azul celeste. Finalizou 4 vezes, número alto para um lateral esquerdo, mas encontrou Matheus Mendes em uma noite inspirada.



Cria da base do Atlético, o goleiro Matheus Mendes chegou nesta semana, emprestado pelo Galo, e foi titular nas duas partidas. Fez um bom jogo e só foi superado uma vez, em uma boa jogada do seu “xará”, Matheus Pereira. O lateral antecipou uma bola aérea, tabelou com Roberson e fez o único gol cruzeirense.



Mas apenas 4 minutos após balançar as redes, o Cruzeiro levou o gol que sacramentou a vitória do CSA. Em cruzamento de Pedro Júnior, Pedro Lucas cabeceou sozinho e definiu o placar para a equipe alagoana. 3 a 1 para o CSA, que deixou a lanterna da Série B. Rodrigo Pimpão, atacante do CSA, até foi expulso, porém não fez muita falta. A vitória já havia sido consolidada.



Uma noite ruim do Cruzeiro. Ney Franco tentou, mas não houve retorno em campo. Neste domingo, o blog Bola Pra Frente irá fazer uma análise mais detalhada sobre a atuação do Cruzeiro.



Keno, Nathan e Sampaoli: personagens de uma grande vitória



7 gols. 4 a 3 no placar. “Hat trick” de Keno. Nathan entrando no 2º tempo e fazendo a diferença. Sampaoli, como de costume, mexendo bem na equipe. Pontos cruciais de uma enorme vitória do Atlético. No entanto, é importante destacar a grande partida feita pelo Atlético-GO, que deu muito trabalho ao Galo.



Um confronto de dois times organizados. 1º tempo do Dragão. 2º tempo do Galo. Venceu quem aproveitou melhor as oportunidades. Um grande jogo aconteceu em Goiânia, neste sábado, 19, e o placar de 4 a 3 ilustra bem isso.



O Galo ganhou. O Galo assumiu a liderança. O Galo ainda tem um jogo a menos, em relação ao Internacional. Aproveitando o tropeço do Colorado, o Atlético venceu o “xará” goianiense e alcançou os 70% de aproveitamento no Brasileirão, um ótimo número atleticano.



PATROCINADORES

A partida se desenhou como um dos grandes jogos do Brasileirão. Desde o 1º minuto, o time goiano tentou aproveitar todos os erros do Galo. Na 1ª parte o Atlético-GO conseguiu algumas vezes, principalmente no lado direito da defesa alvinegra. Foi deste lado que, aos 20 minutos, teve início a jogada do 1º gol. Após a zaga atleticana tirar, o volante Oliveira acertou um chute raro, indefensável.



Alguns minutos antes, Éverson já havia feito uma grande defesa, em chute de Gustavo Ferrareis. Alan Franco, em boa jogada de Keno, também fez Jean trabalhar na 1ª etapa.



O Galo até balançou as redes na 1ª parte. Porém, o impedimento foi marcado corretamente no gol de Savarino. O 1º tempo se encerrou em uma chance claríssima perdida por Keno. Ele estava ganhando no drible, porém errava nas finalizações.



Seria outra noite apagada para o ponta esquerda? Não. Keno voltou inspirado do vestiário e resolveu o jogo. Sampaoli colocou Nathan e Igor Rabello, resolveu em partes o problema na ala direita e conseguiu melhorar a criação, com uma ótima exibição de Nathan.



Aos 5 minutos, Nathan foi derrubado na área, após boa tabela com o apagado Eduardo Sasha. Pênalti muito bem convertido por Keno, marcando seu 1º gol no Brasileirão e tirando a pressão que carregava.



O Atlético estava empolgado atrás do empate, mas viu Gustavo Ferrareis colocar o Dragão na frente novamente. Em boa trama de Janderson e Ferrareis, o atleta bateu no canto de Éverson, apenas 4 minutos depois do gol de Keno.



Porém Nathan e Keno não estavam para brincadeira. Em excelente jogada de Savarino, Nathan chegou livre e aproveitou o cruzamento com uma bela chapada. Era o empate aos 14 minutos.



Aos 19, a virada. Keno aproveitou erro bisonho do meio-campo do Atlético-GO, acelerou e bateu no canto de Jean. O placar marcava 3 a 2, porém Keno queria mais. Aos 31, o ponta finalizou forte de fora da área e carimbou o travessão. Na jogada seguinte, Mariano colocou com perfeição na cabeça de Keno. Era o famoso hat-trick de Keno, digno de música.



Nathan ainda assustou o goleiro Jean, dois minutos depois. Ele chutou do meio-campo, com a perna ruim, e forçou o goleiro a fazer excelente defesa. Do lado atleticano, Éverson também fez uma excepcional intervenção. Aos 48, Matheusinho chutou e, de forma impressionante, Éverson salvou.



No minuto seguinte, o terceiro gol do Atlético-GO. Gilvan subiu e testou firme para a meta atleticana. 4 a 3 no marcador e fim de jogo.



Líder. Um jogo emocionante e muito bom tecnicamente. O Galo venceu por causa de um 2º tempo muito bom, o qual compensou os erros da 1ª parte. Neste domingo, o blog Bola Pra Frente irá fazer uma análise mais detalhada sobre a atuação do Atlético.



Veja Também