news:

Entretenimento e Curiosidade

Mulher demônia diz que pediu a Deus para colocar chifres

Publicado por TV Minas em 03/10/2020 às 17h20 - Atualizado às 14h21

foto_principal.jpg

Os pequenos chifres na testa são as modificações preferidas da mulher. Os acessórios deram a ela o apelido de "mulher demônia".

 

Uma mulher de 35 anos vem transformando seu visual radicalmente há três anos, com cerca de 60% do corpo tatuado e alterações na língua, olhos, dentes e na testa.

 

Em entrevista ao G1 neste sábado (3), a modificadora corporal Carol Praddo, moradora de Praia Grande, no litoral de São Paulo, diz que tem orgulho de ser conhecida no ramo como 'a mulher demônia'.

 

Ela conta que, como trabalha em um estúdio de piercings, tatuagens e outras transformações corporais, o apelido ajuda seus clientes a identificarem ela. "Não me incomodo [com o apelido], em hipótese alguma. Tenho orgulho de ser quem eu sou", garante.

 

Carol entrou de cabeça no universo das tatuagens há 11 anos, quando ainda era auxiliar administrativa e conheceu seu atual marido em um estúdio. Ela iria fazer mais uma tatuagem pequena e o homem era o tatuador.

 

Juntos, eles cobriram praticamente todo o corpo com diversas tatuagens ao longo dos anos e o homem, conhecido como 'Diabão', passou a instaurar modificações mais agressivas em seu corpo. Há três anos, Carol também seguiu os passos dele e tatuou os olhos.

 

 

Mulher-demônia começou com modificações corporais mais agressivas há três anos.

 

 

"Uma coisa foi puxando a outra. Iniciei com as tatuagens, comecei a gostar de piercing, me encantei pela área da modificação corporal", relembra Carol. "Aos poucos a gente foi se identificando, buscando uma aparência diferente, fugindo do padrão aceitável pela sociedade de hoje."


Atualmente, ela tem quatro modificações extremas: pigmentação dos olhos (eyeball tattoo) , divisão da língua (tongue split), dentes com coroas metálicas e chifres na testa (implantes transdermais).

 

 

'Mulher demônia' temente a Deus


Os pequenos chifres na testa são as modificações preferidas de Carol. Os acessórios deram a ela o apelido de 'mulher demônia', mesmo que ela garanta que sua relação com Deus é forte. Ela confessa que tinha receio do julgamento divino e buscou orientação antes de realizar o procedimento.

 

"Conversei com meu marido e oramos para pedir ajuda para Deus. Já me questionei por medo em relação ao nosso Senhor. Entendemos que Ele não é assim e não julga por isso. É a modificação que eu me sinto mais entusiasmada, feliz e orgulhosa de ter feito", diz Carol Praddo.

 

A modificadora corporal critica, ainda, quem julga seu caráter a partir de sua aparência. "Eu sei das minhas atitudes e minhas escolhas", se defende. "Quando as pessoas abrem a oportunidade de conversar com a gente, conseguem entender que somos muito mais do que aparentamos ser."

 

Ela diz, ainda, que aceita as críticas positivas e negativas, pois acredita que muitas vezes o que precisa, não é o que se quer ouvir. "Entender isso é evolução", diz. O que Carol afirma que não tolera são ataques à sua pessoa e à sua família, quando são vistos em público.

 

"É normal as pessoas olharem, mas é inaceitável na rua eu estar passeando com meu filho e meu marido e ser xingada", diz. "Independente das escolhas, você tem que respeitar as pessoas como ser humano, como indivíduo", finaliza.

 

 

Carol Praddo era auxiliar administrativa antes das mudanças corporais.

Os pequenos chifres na testa são as modificações preferidas da mulher. Os acessórios deram a ela o apelido de "mulher demônia".


 


Uma mulher de 35 anos vem transformando seu visual radicalmente há três anos, com cerca de 60% do corpo tatuado e alterações na língua, olhos, dentes e na testa.


 


Em entrevista ao G1 neste sábado (3), a modificadora corporal Carol Praddo, moradora de Praia Grande, no litoral de São Paulo, diz que tem orgulho de ser conhecida no ramo como 'a mulher demônia'.


 


Ela conta que, como trabalha em um estúdio de piercings, tatuagens e outras transformações corporais, o apelido ajuda seus clientes a identificarem ela. "Não me incomodo [com o apelido], em hipótese alguma. Tenho orgulho de ser quem eu sou", garante.


 


Carol entrou de cabeça no universo das tatuagens há 11 anos, quando ainda era auxiliar administrativa e conheceu seu atual marido em um estúdio. Ela iria fazer mais uma tatuagem pequena e o homem era o tatuador.


 


Juntos, eles cobriram praticamente todo o corpo com diversas tatuagens ao longo dos anos e o homem, conhecido como 'Diabão', passou a instaurar modificações mais agressivas em seu corpo. Há três anos, Carol também seguiu os passos dele e tatuou os olhos.


 


 



Mulher-demônia começou com modificações corporais mais agressivas há três anos.


 


 


PATROCINADORES

"Uma coisa foi puxando a outra. Iniciei com as tatuagens, comecei a gostar de piercing, me encantei pela área da modificação corporal", relembra Carol. "Aos poucos a gente foi se identificando, buscando uma aparência diferente, fugindo do padrão aceitável pela sociedade de hoje."



Atualmente, ela tem quatro modificações extremas: pigmentação dos olhos (eyeball tattoo) , divisão da língua (tongue split), dentes com coroas metálicas e chifres na testa (implantes transdermais).


 


 


'Mulher demônia' temente a Deus



Os pequenos chifres na testa são as modificações preferidas de Carol. Os acessórios deram a ela o apelido de 'mulher demônia', mesmo que ela garanta que sua relação com Deus é forte. Ela confessa que tinha receio do julgamento divino e buscou orientação antes de realizar o procedimento.


 


"Conversei com meu marido e oramos para pedir ajuda para Deus. Já me questionei por medo em relação ao nosso Senhor. Entendemos que Ele não é assim e não julga por isso. É a modificação que eu me sinto mais entusiasmada, feliz e orgulhosa de ter feito", diz Carol Praddo.


 


A modificadora corporal critica, ainda, quem julga seu caráter a partir de sua aparência. "Eu sei das minhas atitudes e minhas escolhas", se defende. "Quando as pessoas abrem a oportunidade de conversar com a gente, conseguem entender que somos muito mais do que aparentamos ser."


 


Ela diz, ainda, que aceita as críticas positivas e negativas, pois acredita que muitas vezes o que precisa, não é o que se quer ouvir. "Entender isso é evolução", diz. O que Carol afirma que não tolera são ataques à sua pessoa e à sua família, quando são vistos em público.


 


"É normal as pessoas olharem, mas é inaceitável na rua eu estar passeando com meu filho e meu marido e ser xingada", diz. "Independente das escolhas, você tem que respeitar as pessoas como ser humano, como indivíduo", finaliza.


 


 



Carol Praddo era auxiliar administrativa antes das mudanças corporais.


Os pequenos chifres na testa são as modificações preferidas da mulher. Os acessórios deram a ela o apelido de "mulher demônia".



Uma mulher de 35 anos vem transformando seu visual radicalmente há três anos, com cerca de 60% do corpo tatuado e alterações na língua, olhos, dentes e na testa.



Em entrevista ao G1 neste sábado (3), a modificadora corporal Carol Praddo, moradora de Praia Grande, no litoral de São Paulo, diz que tem orgulho de ser conhecida no ramo como 'a mulher demônia'.



Ela conta que, como trabalha em um estúdio de piercings, tatuagens e outras transformações corporais, o apelido ajuda seus clientes a identificarem ela. "Não me incomodo [com o apelido], em hipótese alguma. Tenho orgulho de ser quem eu sou", garante.



Carol entrou de cabeça no universo das tatuagens há 11 anos, quando ainda era auxiliar administrativa e conheceu seu atual marido em um estúdio. Ela iria fazer mais uma tatuagem pequena e o homem era o tatuador.



Juntos, eles cobriram praticamente todo o corpo com diversas tatuagens ao longo dos anos e o homem, conhecido como 'Diabão', passou a instaurar modificações mais agressivas em seu corpo. Há três anos, Carol também seguiu os passos dele e tatuou os olhos.



PATROCINADORES



Mulher-demônia começou com modificações corporais mais agressivas há três anos.



"Uma coisa foi puxando a outra. Iniciei com as tatuagens, comecei a gostar de piercing, me encantei pela área da modificação corporal", relembra Carol. "Aos poucos a gente foi se identificando, buscando uma aparência diferente, fugindo do padrão aceitável pela sociedade de hoje."




Atualmente, ela tem quatro modificações extremas: pigmentação dos olhos (eyeball tattoo) , divisão da língua (tongue split), dentes com coroas metálicas e chifres na testa (implantes transdermais).



'Mulher demônia' temente a Deus



PATROCINADORES


Os pequenos chifres na testa são as modificações preferidas de Carol. Os acessórios deram a ela o apelido de 'mulher demônia', mesmo que ela garanta que sua relação com Deus é forte. Ela confessa que tinha receio do julgamento divino e buscou orientação antes de realizar o procedimento.



"Conversei com meu marido e oramos para pedir ajuda para Deus. Já me questionei por medo em relação ao nosso Senhor. Entendemos que Ele não é assim e não julga por isso. É a modificação que eu me sinto mais entusiasmada, feliz e orgulhosa de ter feito", diz Carol Praddo.



A modificadora corporal critica, ainda, quem julga seu caráter a partir de sua aparência. "Eu sei das minhas atitudes e minhas escolhas", se defende. "Quando as pessoas abrem a oportunidade de conversar com a gente, conseguem entender que somos muito mais do que aparentamos ser."



Ela diz, ainda, que aceita as críticas positivas e negativas, pois acredita que muitas vezes o que precisa, não é o que se quer ouvir. "Entender isso é evolução", diz. O que Carol afirma que não tolera são ataques à sua pessoa e à sua família, quando são vistos em público.



"É normal as pessoas olharem, mas é inaceitável na rua eu estar passeando com meu filho e meu marido e ser xingada", diz. "Independente das escolhas, você tem que respeitar as pessoas como ser humano, como indivíduo", finaliza.





Carol Praddo era auxiliar administrativa antes das mudanças corporais.



Veja Também