news:

Notícias

Traficante carioca roubou e assassinou padre de Manhumirim para pagar dívidas

Publicado por TV Minas em 17/10/2020 às 01h46

foto_principal.jpg

O traficante, um irmão dele e um terceiro suspeito planejaram cometer o latrocínio em Manhumirim para pegar os pertences da vítima, vender e pagar dívida.

 

As investigações da Polícia Civil apontam que o padre Adriano da Silva Barros, de 36 anos, foi vítima de um latrocínio - roubo seguido de morte - em uma ação planejada de um traficante e do irmão dele, ambos do Rio de Janeiro, que precisavam pagar uma dívida de tráfico de drogas. O corpo do padre foi encontrado na última quarta-feira (14) em Manhumirim, na Zona da Mata Mineira. O religioso foi esfaqueado e houve tentativa de carbonizar o corpo. 

 

Até então não se sabia exatamente as causas da morte, mas um suspeito de 22 anos já tinha sido preso. Ele é irmão do traficante carioca.  Nesta sexta-feira (16) a Polícia Civil informou que o padre foi roubado e teve os pertences, inclusive seu carro, levados para pagar uma dívida de um conhecido traficante carioca.  A Polícia Militar teria aprendido muita droga que estava sob custódia do traficante e ele ficou com a "dívida" para o tráfico. 

 

“Em razão desse prejuízo, ele teria vindo até Manhumirim para levantar o dinheiro. Foi quando tiveram a ideia de cometer esse crime”, conta o delegado Gladson de Souza Ferreira.  As investigações indicam que o crime foi planejado dias antes. “Na verdade, o fato foi premeditado. No sábado, houve uma reunião entre o suspeito preso, o irmão dele e mais uma pessoa, para tramar, ao que tudo indica, esse crime de latrocínio”, complementa o delegado.

 

Ainda de acordo com o delegado, o padre teria sido morto na terça-feira (13). "Na quarta-feira, o conduzido tentou ocultar o corpo. Ao tomar conhecimento desse fato, identificamos outra pessoa, que teria conhecimento do fato e fornecido o combustível. Agora estamos trabalhando para a sua devida qualificação”, afirma.

 

Alguns documentos do padre já foram encontrados pela Polícia Civil e as diligências seguem para tentar encontrar os outros suspeitos e o carro do padre. 

O traficante, um irmão dele e um terceiro suspeito planejaram cometer o latrocínio em Manhumirim para pegar os pertences da vítima, vender e pagar dívida.


 


As investigações da Polícia Civil apontam que o padre Adriano da Silva Barros, de 36 anos, foi vítima de um latrocínio - roubo seguido de morte - em uma ação planejada de um traficante e do irmão dele, ambos do Rio de Janeiro, que precisavam pagar uma dívida de tráfico de drogas. O corpo do padre foi encontrado na última quarta-feira (14) em Manhumirim, na Zona da Mata Mineira. O religioso foi esfaqueado e houve tentativa de carbonizar o corpo. 


 


Até então não se sabia exatamente as causas da morte, mas um suspeito de 22 anos já tinha sido preso. Ele é irmão do traficante carioca.  Nesta sexta-feira (16) a Polícia Civil informou que o padre foi roubado e teve os pertences, inclusive seu carro, levados para pagar uma dívida de um conhecido traficante carioca.  A Polícia Militar teria aprendido muita droga que estava sob custódia do traficante e ele ficou com a "dívida" para o tráfico. 


PATROCINADORES

 


“Em razão desse prejuízo, ele teria vindo até Manhumirim para levantar o dinheiro. Foi quando tiveram a ideia de cometer esse crime”, conta o delegado Gladson de Souza Ferreira.  As investigações indicam que o crime foi planejado dias antes. “Na verdade, o fato foi premeditado. No sábado, houve uma reunião entre o suspeito preso, o irmão dele e mais uma pessoa, para tramar, ao que tudo indica, esse crime de latrocínio”, complementa o delegado.


 


Ainda de acordo com o delegado, o padre teria sido morto na terça-feira (13). "Na quarta-feira, o conduzido tentou ocultar o corpo. Ao tomar conhecimento desse fato, identificamos outra pessoa, que teria conhecimento do fato e fornecido o combustível. Agora estamos trabalhando para a sua devida qualificação”, afirma.


 


Alguns documentos do padre já foram encontrados pela Polícia Civil e as diligências seguem para tentar encontrar os outros suspeitos e o carro do padre. 


O traficante, um irmão dele e um terceiro suspeito planejaram cometer o latrocínio em Manhumirim para pegar os pertences da vítima, vender e pagar dívida.



As investigações da Polícia Civil apontam que o padre Adriano da Silva Barros, de 36 anos, foi vítima de um latrocínio - roubo seguido de morte - em uma ação planejada de um traficante e do irmão dele, ambos do Rio de Janeiro, que precisavam pagar uma dívida de tráfico de drogas. O corpo do padre foi encontrado na última quarta-feira (14) em Manhumirim, na Zona da Mata Mineira. O religioso foi esfaqueado e houve tentativa de carbonizar o corpo. 



Até então não se sabia exatamente as causas da morte, mas um suspeito de 22 anos já tinha sido preso. Ele é irmão do traficante carioca.  Nesta sexta-feira (16) a Polícia Civil informou que o padre foi roubado e teve os pertences, inclusive seu carro, levados para pagar uma dívida de um conhecido traficante carioca.  A Polícia Militar teria aprendido muita droga que estava sob custódia do traficante e ele ficou com a "dívida" para o tráfico. 



PATROCINADORES

“Em razão desse prejuízo, ele teria vindo até Manhumirim para levantar o dinheiro. Foi quando tiveram a ideia de cometer esse crime”, conta o delegado Gladson de Souza Ferreira.  As investigações indicam que o crime foi planejado dias antes. “Na verdade, o fato foi premeditado. No sábado, houve uma reunião entre o suspeito preso, o irmão dele e mais uma pessoa, para tramar, ao que tudo indica, esse crime de latrocínio”, complementa o delegado.



Ainda de acordo com o delegado, o padre teria sido morto na terça-feira (13). "Na quarta-feira, o conduzido tentou ocultar o corpo. Ao tomar conhecimento desse fato, identificamos outra pessoa, que teria conhecimento do fato e fornecido o combustível. Agora estamos trabalhando para a sua devida qualificação”, afirma.



Alguns documentos do padre já foram encontrados pela Polícia Civil e as diligências seguem para tentar encontrar os outros suspeitos e o carro do padre. 



Veja Também