news:

Notícias

Homem é espancado até a morte por causa de celular em Minas Gerais

Publicado por TV Minas em 19/10/2020 às 19h55

foto_principal.jpeg

O motivo do assassinato, segundo testemunhas, foi o sumiço do celular de uma mulher.

 

Um homem de 32 anos foi espancado até a morte por um grupo de cerca de cinco pessoas nesse domingo (19), no Bairro Castelo, Região da Pampulha em Belo Horizonte.

 

O crime teria sido motivado pela suspeita de que a vítima havia furtado um celular. 

 

A Polícia Militar foi acionada por volta das 19h. Tanto a vítimas quanto os agressores eram moradores de um prédio abandonado localizado na Rua Castelo da Ajuda.

 

O desentendimento teria começado ainda dentro do local quando uma moradora da ocupação acusou o vizinho de ter furtado seu celular.

 

Ao ser questionado pelo grupo que foi tirar satisfação sobre o ocorrido a vítima teria jogado objetos em direção aos vizinhos e os ameaçado com um facão. 

 

A briga então foi parar na rua do prédio e, já na via o homem foi espancado e agredido com golpes de enxada.

 

As agressões só cessaram quando o homem já estava desacordado. Ele acabou morrendo no local. Segundo a PM não haviam provas de que o homem de fato teria furtado o celular.

 

A vítima, Edson Silva Estêvão, trabalhava como lanterneiro em uma oficina no bairro.

 

A mulher dele não quis dar entrevista, mas disse que tentou separar a briga e não conseguiu. Ela se mudou do local com os dois filhos do casal, de 2 e 4 anos.

 

Segundo a polícia, o roubo do celular não foi comprovado.

 

Também de acordo com o boletim de ocorrência, cinco pessoas foram levadas para a Central de Flagrantes 4 para prestar esclarecimentos sobre o crime.

O motivo do assassinato, segundo testemunhas, foi o sumiço do celular de uma mulher.


 


Um homem de 32 anos foi espancado até a morte por um grupo de cerca de cinco pessoas nesse domingo (19), no Bairro Castelo, Região da Pampulha em Belo Horizonte.


 


O crime teria sido motivado pela suspeita de que a vítima havia furtado um celular. 


 


A Polícia Militar foi acionada por volta das 19h. Tanto a vítimas quanto os agressores eram moradores de um prédio abandonado localizado na Rua Castelo da Ajuda.


 


O desentendimento teria começado ainda dentro do local quando uma moradora da ocupação acusou o vizinho de ter furtado seu celular.


 


Ao ser questionado pelo grupo que foi tirar satisfação sobre o ocorrido a vítima teria jogado objetos em direção aos vizinhos e os ameaçado com um facão. 


PATROCINADORES

 


A briga então foi parar na rua do prédio e, já na via o homem foi espancado e agredido com golpes de enxada.


 


As agressões só cessaram quando o homem já estava desacordado. Ele acabou morrendo no local. Segundo a PM não haviam provas de que o homem de fato teria furtado o celular.


 


A vítima, Edson Silva Estêvão, trabalhava como lanterneiro em uma oficina no bairro.


 


A mulher dele não quis dar entrevista, mas disse que tentou separar a briga e não conseguiu. Ela se mudou do local com os dois filhos do casal, de 2 e 4 anos.


 


Segundo a polícia, o roubo do celular não foi comprovado.


 


Também de acordo com o boletim de ocorrência, cinco pessoas foram levadas para a Central de Flagrantes 4 para prestar esclarecimentos sobre o crime.


O motivo do assassinato, segundo testemunhas, foi o sumiço do celular de uma mulher.



Um homem de 32 anos foi espancado até a morte por um grupo de cerca de cinco pessoas nesse domingo (19), no Bairro Castelo, Região da Pampulha em Belo Horizonte.



O crime teria sido motivado pela suspeita de que a vítima havia furtado um celular. 



A Polícia Militar foi acionada por volta das 19h. Tanto a vítimas quanto os agressores eram moradores de um prédio abandonado localizado na Rua Castelo da Ajuda.



PATROCINADORES

O desentendimento teria começado ainda dentro do local quando uma moradora da ocupação acusou o vizinho de ter furtado seu celular.



Ao ser questionado pelo grupo que foi tirar satisfação sobre o ocorrido a vítima teria jogado objetos em direção aos vizinhos e os ameaçado com um facão. 



A briga então foi parar na rua do prédio e, já na via o homem foi espancado e agredido com golpes de enxada.



PATROCINADORES

As agressões só cessaram quando o homem já estava desacordado. Ele acabou morrendo no local. Segundo a PM não haviam provas de que o homem de fato teria furtado o celular.



A vítima, Edson Silva Estêvão, trabalhava como lanterneiro em uma oficina no bairro.



A mulher dele não quis dar entrevista, mas disse que tentou separar a briga e não conseguiu. Ela se mudou do local com os dois filhos do casal, de 2 e 4 anos.



Segundo a polícia, o roubo do celular não foi comprovado.



Também de acordo com o boletim de ocorrência, cinco pessoas foram levadas para a Central de Flagrantes 4 para prestar esclarecimentos sobre o crime.



Veja Também