news:

Ciência & Tecnologia

O que se sabe sobre vermífugo nitazoxanida, defendido pelo ministro da Ciência

Publicado por TV Minas em 20/10/2020 às 19h42

foto_principal.jpg

Antiparasitário nitazoxanida, conhecido pelo nome comercial Annita, teve resultados satisfatórios em experimentos com voluntários.

 

Com direito a ampla divulgação pelo governo e cerimônia com presença do presidente Jair Bolsonaro, o antiparasitário nitazoxanida, vendido no Brasil sob a marca Annita, foi apresentado nesta segunda-feira (19/10) no Palácio do Planalto como um tratamento promissor para a COVID-19 no início da infecção.

 

O que comprovaria este sucesso seria, segundo o governo, um ensaio clínico (envolvendo humanos) com o medicamento — normalmente uma etapa mais importante e criteriosa em experimentos com remédios, um passo além de testes in vitro.

 

Entretanto, o governo ainda não divulgou, nem para a imprensa e nem para a comunidade científica, qualquer documento com resultados do estudo.


Mas não carece de publicação apenas este estudo coordenado pelo Ministério da Ciência e da Tecnologia. Segundo dados do sistema COVID-NMA, em que são registrados projetos de pesquisa de todo o mundo, não foi publicado ainda qualquer estudo com a nitazoxanida envolvendo pacientes.

 

Dos mais de 1,9 mil ensaios com vários remédios registrados ali, 24 projetos envolvem o antiparasitário — a maioria deles no Brasil (7 ensaios), Egito (7) e Estados Unidos (3). Alguns destes já estão recrutando pacientes, mas nenhum deles foi concluído e publicado.

 

Um artigo publicado por cientistas egípcios no periódico Journal of Genetic Engineering & Biotechnology indicou que a nitazoxanida seria uma boa candidata para ensaios clínicos por ter mostrado, em algumas pesquisas in vitro, ação contra o coronavírus. Também favoreceria sua ação antiviral já documentada contra outros coronavírus, vírus da influenza, hepatite C e B.

 

Entretanto, mesmo in vitro o sucesso da nitazoxanida não pareceu unânime: um estudo divulgado em plataforma de pré-print (ainda sem a chamada revisão de pares e publicação em revista científica) por pesquisadores brasileiros afastou sua eficácia contra o coronavírus.

 

Hoje, este medicamento é comercializado no Brasil por várias empresas, inclusive como genérico, e na bula serve para tratar gastroenterites virais e vermes intestinais, entre outros. Seu uso é contraindicado para pessoas com diabetes, doenças no fígado e no rim, além daqueles com alergias a componentes da fórmula.

 

O uso proposto pelo governo seria de "reposicionamento" — ou seja, o uso de um remédio já existente nas farmácias com outra finalidade original que não o tratamento de covid-19.

 

Segundo afirmou em vídeo institucional, o ministro da Ciência e Tecnologia (MCTIC), Marcos Pontes, a nitazoxanida tem os benefícios de ser produzido no Brasil, barato e com efeitos colaterais reduzidos. Em julho, Pontes anunciou que teve COVID-19 e se tratou voluntariamente usando a nitazoxanida.

 

Responsável por coordenar os ensaios, a médica e professora Patrícia Rocco, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, afirmou no evento desta segunda-feira (19/10) que os ensaios clínicos com o antiparasitário envolveram 1.575 voluntários em sete unidades de saúde de São Caetano; Barueri; Juiz de Fora; Sorocaba; Distrito Federal; Bauru; e Guarulhos.

 

Eles foram divididos em um grupo que recebeu, entre junho e agosto, o antiparasitário e, outro, placebo (um medicamento inócuo).

 

Segundo anunciado, pacientes que receberam a nitazoxanida tiveram maior redução da carga viral e resultados negativos para coronavírus mais rápido.

 

De acordo com a assessoria de imprensa do MCTIC, os detalhes do ensaio ainda não foram apresentados porque estão sendo analisados para publicação em um periódico científico internacional — caso contrário, sua divulgação romperia com o ineditismo da pesquisa, o que é desejável neste meio.

 

Entretanto, para a bióloga Natalia Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência, haveria sim alternativas para que os resultados do ensaio fossem publicados sem que isto impedisse sua divulgação internacional. Em agosto, o instituto chegou a abrir uma solicitação via Lei de Acesso à Informação para obter mais informações sobre o projeto de pesquisa com a nitazoxanida.

 

Diante da justificativa dada pelo governo nesta segunda-feira de que os resultados não poderiam ser apresentados pois interromperiam o processo de publicação em um periódico internacional, Pasternak indica que a alternativa de divulgação em plataformas de pré-print (ainda sem a chamada revisão pelos pares, etapa fundamental em periódicos) existe para isso.

 

Principalmente durante a pandemia, tem-se publicado muito mais pré-prints do que de costume justamente porque a gente sabe que a revisão pelos pares demora. E mesmo as revistas de maior prestígio, como a Lancet, a Nature, a Science, não têm problema se houver a publicação do pré-print antes."

 

"A gente brinca que em ciência, se não publicou, você não fez ainda (pesquisa)."

Antiparasitário nitazoxanida, conhecido pelo nome comercial Annita, teve resultados satisfatórios em experimentos com voluntários.


 


Com direito a ampla divulgação pelo governo e cerimônia com presença do presidente Jair Bolsonaro, o antiparasitário nitazoxanida, vendido no Brasil sob a marca Annita, foi apresentado nesta segunda-feira (19/10) no Palácio do Planalto como um tratamento promissor para a COVID-19 no início da infecção.


 


O que comprovaria este sucesso seria, segundo o governo, um ensaio clínico (envolvendo humanos) com o medicamento — normalmente uma etapa mais importante e criteriosa em experimentos com remédios, um passo além de testes in vitro.


 


Entretanto, o governo ainda não divulgou, nem para a imprensa e nem para a comunidade científica, qualquer documento com resultados do estudo.



Mas não carece de publicação apenas este estudo coordenado pelo Ministério da Ciência e da Tecnologia. Segundo dados do sistema COVID-NMA, em que são registrados projetos de pesquisa de todo o mundo, não foi publicado ainda qualquer estudo com a nitazoxanida envolvendo pacientes.


 


Dos mais de 1,9 mil ensaios com vários remédios registrados ali, 24 projetos envolvem o antiparasitário — a maioria deles no Brasil (7 ensaios), Egito (7) e Estados Unidos (3). Alguns destes já estão recrutando pacientes, mas nenhum deles foi concluído e publicado.


 


Um artigo publicado por cientistas egípcios no periódico Journal of Genetic Engineering & Biotechnology indicou que a nitazoxanida seria uma boa candidata para ensaios clínicos por ter mostrado, em algumas pesquisas in vitro, ação contra o coronavírus. Também favoreceria sua ação antiviral já documentada contra outros coronavírus, vírus da influenza, hepatite C e B.


 


Entretanto, mesmo in vitro o sucesso da nitazoxanida não pareceu unânime: um estudo divulgado em plataforma de pré-print (ainda sem a chamada revisão de pares e publicação em revista científica) por pesquisadores brasileiros afastou sua eficácia contra o coronavírus.


 


Hoje, este medicamento é comercializado no Brasil por várias empresas, inclusive como genérico, e na bula serve para tratar gastroenterites virais e vermes intestinais, entre outros. Seu uso é contraindicado para pessoas com diabetes, doenças no fígado e no rim, além daqueles com alergias a componentes da fórmula.


 


O uso proposto pelo governo seria de "reposicionamento" — ou seja, o uso de um remédio já existente nas farmácias com outra finalidade original que não o tratamento de covid-19.


PATROCINADORES

 


Segundo afirmou em vídeo institucional, o ministro da Ciência e Tecnologia (MCTIC), Marcos Pontes, a nitazoxanida tem os benefícios de ser produzido no Brasil, barato e com efeitos colaterais reduzidos. Em julho, Pontes anunciou que teve COVID-19 e se tratou voluntariamente usando a nitazoxanida.


 


Responsável por coordenar os ensaios, a médica e professora Patrícia Rocco, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, afirmou no evento desta segunda-feira (19/10) que os ensaios clínicos com o antiparasitário envolveram 1.575 voluntários em sete unidades de saúde de São Caetano; Barueri; Juiz de Fora; Sorocaba; Distrito Federal; Bauru; e Guarulhos.


 


Eles foram divididos em um grupo que recebeu, entre junho e agosto, o antiparasitário e, outro, placebo (um medicamento inócuo).


 


Segundo anunciado, pacientes que receberam a nitazoxanida tiveram maior redução da carga viral e resultados negativos para coronavírus mais rápido.


 


De acordo com a assessoria de imprensa do MCTIC, os detalhes do ensaio ainda não foram apresentados porque estão sendo analisados para publicação em um periódico científico internacional — caso contrário, sua divulgação romperia com o ineditismo da pesquisa, o que é desejável neste meio.


 


Entretanto, para a bióloga Natalia Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência, haveria sim alternativas para que os resultados do ensaio fossem publicados sem que isto impedisse sua divulgação internacional. Em agosto, o instituto chegou a abrir uma solicitação via Lei de Acesso à Informação para obter mais informações sobre o projeto de pesquisa com a nitazoxanida.


 


Diante da justificativa dada pelo governo nesta segunda-feira de que os resultados não poderiam ser apresentados pois interromperiam o processo de publicação em um periódico internacional, Pasternak indica que a alternativa de divulgação em plataformas de pré-print (ainda sem a chamada revisão pelos pares, etapa fundamental em periódicos) existe para isso.


 


Principalmente durante a pandemia, tem-se publicado muito mais pré-prints do que de costume justamente porque a gente sabe que a revisão pelos pares demora. E mesmo as revistas de maior prestígio, como a Lancet, a Nature, a Science, não têm problema se houver a publicação do pré-print antes."


 


"A gente brinca que em ciência, se não publicou, você não fez ainda (pesquisa)."


Antiparasitário nitazoxanida, conhecido pelo nome comercial Annita, teve resultados satisfatórios em experimentos com voluntários.



Com direito a ampla divulgação pelo governo e cerimônia com presença do presidente Jair Bolsonaro, o antiparasitário nitazoxanida, vendido no Brasil sob a marca Annita, foi apresentado nesta segunda-feira (19/10) no Palácio do Planalto como um tratamento promissor para a COVID-19 no início da infecção.



O que comprovaria este sucesso seria, segundo o governo, um ensaio clínico (envolvendo humanos) com o medicamento — normalmente uma etapa mais importante e criteriosa em experimentos com remédios, um passo além de testes in vitro.



Entretanto, o governo ainda não divulgou, nem para a imprensa e nem para a comunidade científica, qualquer documento com resultados do estudo.




Mas não carece de publicação apenas este estudo coordenado pelo Ministério da Ciência e da Tecnologia. Segundo dados do sistema COVID-NMA, em que são registrados projetos de pesquisa de todo o mundo, não foi publicado ainda qualquer estudo com a nitazoxanida envolvendo pacientes.



Dos mais de 1,9 mil ensaios com vários remédios registrados ali, 24 projetos envolvem o antiparasitário — a maioria deles no Brasil (7 ensaios), Egito (7) e Estados Unidos (3). Alguns destes já estão recrutando pacientes, mas nenhum deles foi concluído e publicado.



Um artigo publicado por cientistas egípcios no periódico Journal of Genetic Engineering & Biotechnology indicou que a nitazoxanida seria uma boa candidata para ensaios clínicos por ter mostrado, em algumas pesquisas in vitro, ação contra o coronavírus. Também favoreceria sua ação antiviral já documentada contra outros coronavírus, vírus da influenza, hepatite C e B.



PATROCINADORES

Entretanto, mesmo in vitro o sucesso da nitazoxanida não pareceu unânime: um estudo divulgado em plataforma de pré-print (ainda sem a chamada revisão de pares e publicação em revista científica) por pesquisadores brasileiros afastou sua eficácia contra o coronavírus.



Hoje, este medicamento é comercializado no Brasil por várias empresas, inclusive como genérico, e na bula serve para tratar gastroenterites virais e vermes intestinais, entre outros. Seu uso é contraindicado para pessoas com diabetes, doenças no fígado e no rim, além daqueles com alergias a componentes da fórmula.



O uso proposto pelo governo seria de "reposicionamento" — ou seja, o uso de um remédio já existente nas farmácias com outra finalidade original que não o tratamento de covid-19.



Segundo afirmou em vídeo institucional, o ministro da Ciência e Tecnologia (MCTIC), Marcos Pontes, a nitazoxanida tem os benefícios de ser produzido no Brasil, barato e com efeitos colaterais reduzidos. Em julho, Pontes anunciou que teve COVID-19 e se tratou voluntariamente usando a nitazoxanida.



Responsável por coordenar os ensaios, a médica e professora Patrícia Rocco, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, afirmou no evento desta segunda-feira (19/10) que os ensaios clínicos com o antiparasitário envolveram 1.575 voluntários em sete unidades de saúde de São Caetano; Barueri; Juiz de Fora; Sorocaba; Distrito Federal; Bauru; e Guarulhos.



Eles foram divididos em um grupo que recebeu, entre junho e agosto, o antiparasitário e, outro, placebo (um medicamento inócuo).



PATROCINADORES

Segundo anunciado, pacientes que receberam a nitazoxanida tiveram maior redução da carga viral e resultados negativos para coronavírus mais rápido.



De acordo com a assessoria de imprensa do MCTIC, os detalhes do ensaio ainda não foram apresentados porque estão sendo analisados para publicação em um periódico científico internacional — caso contrário, sua divulgação romperia com o ineditismo da pesquisa, o que é desejável neste meio.



Entretanto, para a bióloga Natalia Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência, haveria sim alternativas para que os resultados do ensaio fossem publicados sem que isto impedisse sua divulgação internacional. Em agosto, o instituto chegou a abrir uma solicitação via Lei de Acesso à Informação para obter mais informações sobre o projeto de pesquisa com a nitazoxanida.



Diante da justificativa dada pelo governo nesta segunda-feira de que os resultados não poderiam ser apresentados pois interromperiam o processo de publicação em um periódico internacional, Pasternak indica que a alternativa de divulgação em plataformas de pré-print (ainda sem a chamada revisão pelos pares, etapa fundamental em periódicos) existe para isso.



Principalmente durante a pandemia, tem-se publicado muito mais pré-prints do que de costume justamente porque a gente sabe que a revisão pelos pares demora. E mesmo as revistas de maior prestígio, como a Lancet, a Nature, a Science, não têm problema se houver a publicação do pré-print antes."



"A gente brinca que em ciência, se não publicou, você não fez ainda (pesquisa)."



Veja Também