news:

Sul de Minas

Ex-delegado regional de Varginha é preso em operação do Ministério Público

Publicado por TV Minas em 27/10/2020 às 18h37 - Atualizado às 18h12

foto_principal.jpg

Operação realizada pelo Ministério Público investiga crimes no Detran.

 

Um ex-delegado regional de Polícia Civil de Varginha, no Sul de Minas, foi alvo do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), na manhã desta terça-feira (27).

 

A Operação Ilusionista ainda cumpriu dois mandados de busca e apreensão em São Gonçalo do Sapucaí.

 

O trabalho é para combater crimes no Departamento de Trânsito (Detran).

 

De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), Wellington Clair foi preso durante a operação.

 

Ele era lotado em São Gonçalo do Sapucaí, mas estava afastado do cargo para concorrer à reeleição para vereador na cidade. “O investigado ocupou o cargo de delegado regional em Varginha, entre 2018 e 2019”, afirma release do Gaeco.

 

A operação é resultado de investigações, que começaram no passado, envolvendo a prática de crimes no Detran. “Na oportunidade, foi oferecida denúncia pela prática dos delitos de organização criminosa, corrupção passiva e usurpação de função pública”, diz.
 

O Ministério Público determinou o sequestro de R$ 18 milhões para pagamento de multa e dano moral coletivo. “E de R$247.500,00 para devolução de valores fruto dos crimes de corrupção”, ressalta.

 

 

Clair estava afastado do cargo de delegado para concorrer as eleições.

Operação realizada pelo Ministério Público investiga crimes no Detran.


 


Um ex-delegado regional de Polícia Civil de Varginha, no Sul de Minas, foi alvo do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), na manhã desta terça-feira (27).


 


A Operação Ilusionista ainda cumpriu dois mandados de busca e apreensão em São Gonçalo do Sapucaí.


 


O trabalho é para combater crimes no Departamento de Trânsito (Detran).


 


De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), Wellington Clair foi preso durante a operação.


PATROCINADORES

 


Ele era lotado em São Gonçalo do Sapucaí, mas estava afastado do cargo para concorrer à reeleição para vereador na cidade. “O investigado ocupou o cargo de delegado regional em Varginha, entre 2018 e 2019”, afirma release do Gaeco.


 


A operação é resultado de investigações, que começaram no passado, envolvendo a prática de crimes no Detran. “Na oportunidade, foi oferecida denúncia pela prática dos delitos de organização criminosa, corrupção passiva e usurpação de função pública”, diz.
 


O Ministério Público determinou o sequestro de R$ 18 milhões para pagamento de multa e dano moral coletivo. “E de R$247.500,00 para devolução de valores fruto dos crimes de corrupção”, ressalta.


 


 



Clair estava afastado do cargo de delegado para concorrer as eleições.


Operação realizada pelo Ministério Público investiga crimes no Detran.



Um ex-delegado regional de Polícia Civil de Varginha, no Sul de Minas, foi alvo do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), na manhã desta terça-feira (27).



A Operação Ilusionista ainda cumpriu dois mandados de busca e apreensão em São Gonçalo do Sapucaí.



PATROCINADORES

O trabalho é para combater crimes no Departamento de Trânsito (Detran).



De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), Wellington Clair foi preso durante a operação.



Ele era lotado em São Gonçalo do Sapucaí, mas estava afastado do cargo para concorrer à reeleição para vereador na cidade. “O investigado ocupou o cargo de delegado regional em Varginha, entre 2018 e 2019”, afirma release do Gaeco.



PATROCINADORES

A operação é resultado de investigações, que começaram no passado, envolvendo a prática de crimes no Detran. “Na oportunidade, foi oferecida denúncia pela prática dos delitos de organização criminosa, corrupção passiva e usurpação de função pública”, diz.
 



O Ministério Público determinou o sequestro de R$ 18 milhões para pagamento de multa e dano moral coletivo. “E de R$247.500,00 para devolução de valores fruto dos crimes de corrupção”, ressalta.





Clair estava afastado do cargo de delegado para concorrer as eleições.



Veja Também