news:

Ciência & Tecnologia

Vírus letal encontrado na Bolívia pode ser transmitido entre humanos, diz CDC

Publicado por TV Minas em 21/11/2020 às 14h03

foto_principal.jpg

O vírus causador da febre hemorrágica chapare, uma rara doença identificada na Bolívia, pode ser transmitido entre humanos, segundo estudos dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).

 

A possibilidade de transmissão de pessoa para pessoa aumenta o risco de propagação da doença, que já causou ao menos quatro mortes nos dois surtos já relatados, em 2003 e 2019.

 

As descobertas foram detalhadas por cientistas do CDC ao jornal inglês The Guardian e informações sobre a doença estão disponíveis site oficial da agência americana, que identifica a enfermidade com a sigla CHHF.

 

A exemplo de febres hemorrágicas mais conhecidas, como o ebola, a CHHF pode causar sintomas como febre, dor de cabeça, vômito, diarreia, dores nas articulações, erupções cutâneas e sangramentos nas gengivas - e pode levar à morte.

 

Segundo o CDC, a doença é transmitida pelo vírus de Chapare - batizado com o nome da província boliviana onde foi reportado pela primeira vez.

 

Acredita-se que o Chapare, pertencente à família dos arenavírus, seja proveniente de roedores e tenha sido transmitido a humanos por contato direto ou indireto com a saliva, urina e fezes de animais infectados.

 

Exemplos de contato direto incluem mordidas e arranhões por roedores infectados. Já o contato indireto pode ocorrer com a ingestão de alimentos contaminados com fluídos dos roedores.

 

O CDC agora observa que uma pessoa infectada também pode espalhar a doença a outras pessoas por meio do contato com os fluidos corporais do paciente ou durante procedimentos em ambientes de saúde - como durante compressões torácicas e intubação. Como há poucos casos documentados de Chapare em humanos, mais pesquisas são necessárias para entender como o vírus se espalha e causa doenças.

 

Segundo descrito pelo The Guardian, baseado em relatos de cientistas do CDC que participaram da reunião anual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene (ASTMH) nesta semana, casos de transmissão entre pessoas foram observadas em 2019 - quando relatórios indicam que dois pacientes transmitiram o vírus a três profissionais de saúde na Bolívia.

 

Um dos pacientes e dois funcionários médicos morreram posteriormente. 

 

“Nosso trabalho confirmou que um jovem residente médico, um médico de ambulância e um gastroenterologista contraíram o vírus após encontros com pacientes infectados”, disse Caitlin Cossaboom, epidemiologista da divisão de patógenos e patologias de alta consequência do CDC. “Agora acreditamos que muitos fluidos corporais podem potencialmente transportar o vírus", acrecscentou.

 

Até o momento, foram documentados dois surtos do vírus. O primeiro em 2003, resultou em uma morte e ocorreu na província boliviana de Charpare, que deu nome ao vírus. Já o segundo surto relatado, em 2019, teve cinco casos (três deles fatais).

 

 

Patrocinador:

O vírus causador da febre hemorrágica chapare, uma rara doença identificada na Bolívia, pode ser transmitido entre humanos, segundo estudos dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).


 


A possibilidade de transmissão de pessoa para pessoa aumenta o risco de propagação da doença, que já causou ao menos quatro mortes nos dois surtos já relatados, em 2003 e 2019.


 


As descobertas foram detalhadas por cientistas do CDC ao jornal inglês The Guardian e informações sobre a doença estão disponíveis site oficial da agência americana, que identifica a enfermidade com a sigla CHHF.


 


A exemplo de febres hemorrágicas mais conhecidas, como o ebola, a CHHF pode causar sintomas como febre, dor de cabeça, vômito, diarreia, dores nas articulações, erupções cutâneas e sangramentos nas gengivas - e pode levar à morte.


 


Segundo o CDC, a doença é transmitida pelo vírus de Chapare - batizado com o nome da província boliviana onde foi reportado pela primeira vez.


 


Acredita-se que o Chapare, pertencente à família dos arenavírus, seja proveniente de roedores e tenha sido transmitido a humanos por contato direto ou indireto com a saliva, urina e fezes de animais infectados.


 


Exemplos de contato direto incluem mordidas e arranhões por roedores infectados. Já o contato indireto pode ocorrer com a ingestão de alimentos contaminados com fluídos dos roedores.


PATROCINADORES

 


O CDC agora observa que uma pessoa infectada também pode espalhar a doença a outras pessoas por meio do contato com os fluidos corporais do paciente ou durante procedimentos em ambientes de saúde - como durante compressões torácicas e intubação. Como há poucos casos documentados de Chapare em humanos, mais pesquisas são necessárias para entender como o vírus se espalha e causa doenças.


 


Segundo descrito pelo The Guardian, baseado em relatos de cientistas do CDC que participaram da reunião anual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene (ASTMH) nesta semana, casos de transmissão entre pessoas foram observadas em 2019 - quando relatórios indicam que dois pacientes transmitiram o vírus a três profissionais de saúde na Bolívia.


 


Um dos pacientes e dois funcionários médicos morreram posteriormente. 


 


“Nosso trabalho confirmou que um jovem residente médico, um médico de ambulância e um gastroenterologista contraíram o vírus após encontros com pacientes infectados”, disse Caitlin Cossaboom, epidemiologista da divisão de patógenos e patologias de alta consequência do CDC. “Agora acreditamos que muitos fluidos corporais podem potencialmente transportar o vírus", acrecscentou.


 


Até o momento, foram documentados dois surtos do vírus. O primeiro em 2003, resultou em uma morte e ocorreu na província boliviana de Charpare, que deu nome ao vírus. Já o segundo surto relatado, em 2019, teve cinco casos (três deles fatais).


 


 


Patrocinador:



O vírus causador da febre hemorrágica chapare, uma rara doença identificada na Bolívia, pode ser transmitido entre humanos, segundo estudos dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).



A possibilidade de transmissão de pessoa para pessoa aumenta o risco de propagação da doença, que já causou ao menos quatro mortes nos dois surtos já relatados, em 2003 e 2019.



As descobertas foram detalhadas por cientistas do CDC ao jornal inglês The Guardian e informações sobre a doença estão disponíveis site oficial da agência americana, que identifica a enfermidade com a sigla CHHF.



A exemplo de febres hemorrágicas mais conhecidas, como o ebola, a CHHF pode causar sintomas como febre, dor de cabeça, vômito, diarreia, dores nas articulações, erupções cutâneas e sangramentos nas gengivas - e pode levar à morte.



Segundo o CDC, a doença é transmitida pelo vírus de Chapare - batizado com o nome da província boliviana onde foi reportado pela primeira vez.



PATROCINADORES

Acredita-se que o Chapare, pertencente à família dos arenavírus, seja proveniente de roedores e tenha sido transmitido a humanos por contato direto ou indireto com a saliva, urina e fezes de animais infectados.



Exemplos de contato direto incluem mordidas e arranhões por roedores infectados. Já o contato indireto pode ocorrer com a ingestão de alimentos contaminados com fluídos dos roedores.



O CDC agora observa que uma pessoa infectada também pode espalhar a doença a outras pessoas por meio do contato com os fluidos corporais do paciente ou durante procedimentos em ambientes de saúde - como durante compressões torácicas e intubação. Como há poucos casos documentados de Chapare em humanos, mais pesquisas são necessárias para entender como o vírus se espalha e causa doenças.



Segundo descrito pelo The Guardian, baseado em relatos de cientistas do CDC que participaram da reunião anual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene (ASTMH) nesta semana, casos de transmissão entre pessoas foram observadas em 2019 - quando relatórios indicam que dois pacientes transmitiram o vírus a três profissionais de saúde na Bolívia.



PATROCINADORES

Um dos pacientes e dois funcionários médicos morreram posteriormente. 



“Nosso trabalho confirmou que um jovem residente médico, um médico de ambulância e um gastroenterologista contraíram o vírus após encontros com pacientes infectados”, disse Caitlin Cossaboom, epidemiologista da divisão de patógenos e patologias de alta consequência do CDC. “Agora acreditamos que muitos fluidos corporais podem potencialmente transportar o vírus", acrecscentou.



Até o momento, foram documentados dois surtos do vírus. O primeiro em 2003, resultou em uma morte e ocorreu na província boliviana de Charpare, que deu nome ao vírus. Já o segundo surto relatado, em 2019, teve cinco casos (três deles fatais).



Patrocinador:





Veja Também