news:

Notícias

Amizade Brasil-Argentina: Bolsonaro conversa pela primeira vez com Fernández

Publicado por TV Minas em 01/12/2020 às 14h45 - Atualizado em 02/12/2020 às 20h38

foto_principal.jpg

José Sarney estava presente em comemoração à data, que surgiu após encontro entre ele e o ex-presidente argentino Raúl Alfonsín, em Foz de Iguaçu, há 35 anos.

 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conversou nesta segunda-feira, 30, com presidente da Argentina, Alberto Fernández. O encontro marca o dia da Amizade Brasil-Argentina e a primeira conversa entre os mandatários desde a eleição de Fernández, em 27 de outubro de 2019. A relação entre os dois é baseada em uma série de acusações. Bolsonaro torcia abertamente para a reeleição de Maurício Macri, opositor de Fernández.

 

O apoio a Macri se intensificou após visita do atual presidente argentino, na época candidato, a Lula, enquanto o petista ainda estava preso em Curitiba. O embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli, esteve presente mediando a conversa.

 

Do lado argentino, além de Scioli e Fernández, também esteve presente o ministro das Relações Exteriores e Comércio Internacional e Culto, Felipe Sola. Do lado brasileiro, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o secretário Especial de Assuntos Estratégicos, Flávio Viana Rocha, e o ex-presidente do Brasil José Sarney.

 

Sarney estava presente em comemoração à data, que surgiu após um encontro entre ele e o ex-presidente argentino Raúl Alfonsín, em Foz de Iguaçu, há 35 anos. O encontro entre os representantes foi virtual, cada um estava em seu país.

 

Segundo comunicado da Casa Rosada, Fernández pediu para deixar “as diferenças do passado e enfrentar o futuro com as ferramentas que funcionam bem entre nós (Brasil e Argentina)” para “realçar todos os pontos de concordância”. “Estou realizando esta reunião para dar o impulso de que o Mercosul precisa e é imperativo que Brasil e Argentina o façam juntos”, afirmou o chefe de Estado da Argentina.

 

Ele também mostrou preocupação com o meio-ambiente e a situação da Amazônia no Brasil. “Continuamos a progredir em matéria de segurança e das Forças Armadas e temos que trabalhar juntos na questão ambiental, que é um assunto que nos preocupa muito. Devemos fazer um acordo de preservação”, reforçou. “Temos oportunidades em desenvolvimento para fornecer gás à Argentina e ao Brasil”.

 

Bolsonaro respondeu às propostas de Fernández. “Nossas forças armadas têm uma integração excelente. Fortaleceremos nossa integração nas indústrias de defesa e avançaremos no combate ao narcotráfico e ao crime transnacional”, garantiu. O presidente brasileiro também comentou sobre o Mercosul. “O Mercosul é o nosso principal pilar de integração, mas precisamos gerar mecanismos mais ágeis e menos burocráticos”, disse. Bolsonaro também lembrou que os países tem áreas de interesse comum, como o turismo. O governo brasileiro ainda não publicou nota sobre o encontro. A reunião não consta na agenda oficial do presidente Bolsonaro.

 

 

Patrocinador:

José Sarney estava presente em comemoração à data, que surgiu após encontro entre ele e o ex-presidente argentino Raúl Alfonsín, em Foz de Iguaçu, há 35 anos.


 


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conversou nesta segunda-feira, 30, com presidente da Argentina, Alberto Fernández. O encontro marca o dia da Amizade Brasil-Argentina e a primeira conversa entre os mandatários desde a eleição de Fernández, em 27 de outubro de 2019. A relação entre os dois é baseada em uma série de acusações. Bolsonaro torcia abertamente para a reeleição de Maurício Macri, opositor de Fernández.


 


O apoio a Macri se intensificou após visita do atual presidente argentino, na época candidato, a Lula, enquanto o petista ainda estava preso em Curitiba. O embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli, esteve presente mediando a conversa.


 


Do lado argentino, além de Scioli e Fernández, também esteve presente o ministro das Relações Exteriores e Comércio Internacional e Culto, Felipe Sola. Do lado brasileiro, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o secretário Especial de Assuntos Estratégicos, Flávio Viana Rocha, e o ex-presidente do Brasil José Sarney.


 


Sarney estava presente em comemoração à data, que surgiu após um encontro entre ele e o ex-presidente argentino Raúl Alfonsín, em Foz de Iguaçu, há 35 anos. O encontro entre os representantes foi virtual, cada um estava em seu país.


PATROCINADORES

 


Segundo comunicado da Casa Rosada, Fernández pediu para deixar “as diferenças do passado e enfrentar o futuro com as ferramentas que funcionam bem entre nós (Brasil e Argentina)” para “realçar todos os pontos de concordância”. “Estou realizando esta reunião para dar o impulso de que o Mercosul precisa e é imperativo que Brasil e Argentina o façam juntos”, afirmou o chefe de Estado da Argentina.


 


Ele também mostrou preocupação com o meio-ambiente e a situação da Amazônia no Brasil. “Continuamos a progredir em matéria de segurança e das Forças Armadas e temos que trabalhar juntos na questão ambiental, que é um assunto que nos preocupa muito. Devemos fazer um acordo de preservação”, reforçou. “Temos oportunidades em desenvolvimento para fornecer gás à Argentina e ao Brasil”.


 


Bolsonaro respondeu às propostas de Fernández. “Nossas forças armadas têm uma integração excelente. Fortaleceremos nossa integração nas indústrias de defesa e avançaremos no combate ao narcotráfico e ao crime transnacional”, garantiu. O presidente brasileiro também comentou sobre o Mercosul. “O Mercosul é o nosso principal pilar de integração, mas precisamos gerar mecanismos mais ágeis e menos burocráticos”, disse. Bolsonaro também lembrou que os países tem áreas de interesse comum, como o turismo. O governo brasileiro ainda não publicou nota sobre o encontro. A reunião não consta na agenda oficial do presidente Bolsonaro.


 


 


Patrocinador:



José Sarney estava presente em comemoração à data, que surgiu após encontro entre ele e o ex-presidente argentino Raúl Alfonsín, em Foz de Iguaçu, há 35 anos.



O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conversou nesta segunda-feira, 30, com presidente da Argentina, Alberto Fernández. O encontro marca o dia da Amizade Brasil-Argentina e a primeira conversa entre os mandatários desde a eleição de Fernández, em 27 de outubro de 2019. A relação entre os dois é baseada em uma série de acusações. Bolsonaro torcia abertamente para a reeleição de Maurício Macri, opositor de Fernández.



O apoio a Macri se intensificou após visita do atual presidente argentino, na época candidato, a Lula, enquanto o petista ainda estava preso em Curitiba. O embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli, esteve presente mediando a conversa.



PATROCINADORES

Do lado argentino, além de Scioli e Fernández, também esteve presente o ministro das Relações Exteriores e Comércio Internacional e Culto, Felipe Sola. Do lado brasileiro, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o secretário Especial de Assuntos Estratégicos, Flávio Viana Rocha, e o ex-presidente do Brasil José Sarney.



Sarney estava presente em comemoração à data, que surgiu após um encontro entre ele e o ex-presidente argentino Raúl Alfonsín, em Foz de Iguaçu, há 35 anos. O encontro entre os representantes foi virtual, cada um estava em seu país.



Segundo comunicado da Casa Rosada, Fernández pediu para deixar “as diferenças do passado e enfrentar o futuro com as ferramentas que funcionam bem entre nós (Brasil e Argentina)” para “realçar todos os pontos de concordância”. “Estou realizando esta reunião para dar o impulso de que o Mercosul precisa e é imperativo que Brasil e Argentina o façam juntos”, afirmou o chefe de Estado da Argentina.



PATROCINADORES

Ele também mostrou preocupação com o meio-ambiente e a situação da Amazônia no Brasil. “Continuamos a progredir em matéria de segurança e das Forças Armadas e temos que trabalhar juntos na questão ambiental, que é um assunto que nos preocupa muito. Devemos fazer um acordo de preservação”, reforçou. “Temos oportunidades em desenvolvimento para fornecer gás à Argentina e ao Brasil”.



Bolsonaro respondeu às propostas de Fernández. “Nossas forças armadas têm uma integração excelente. Fortaleceremos nossa integração nas indústrias de defesa e avançaremos no combate ao narcotráfico e ao crime transnacional”, garantiu. O presidente brasileiro também comentou sobre o Mercosul. “O Mercosul é o nosso principal pilar de integração, mas precisamos gerar mecanismos mais ágeis e menos burocráticos”, disse. Bolsonaro também lembrou que os países tem áreas de interesse comum, como o turismo. O governo brasileiro ainda não publicou nota sobre o encontro. A reunião não consta na agenda oficial do presidente Bolsonaro.



Patrocinador:





Veja Também