news:

Entretenimento e Curiosidade

Por que sentimos cócegas?

Publicado por TV Minas em 15/05/2016

foto_principal.png

Você já se perguntou por que sente cócegas? A que se deve esta estranha reação do seu corpo, que pode ser prazerosa e dolorosa ao mesmo tempo?

 

A seguir, você verá quais tipos de cócegas existem e por que surgem.

 

As cócegas são reações nervosas que acontecem em nível cutâneo e muscular, e respondem a diferentes estímulos, colocando nosso corpo num estado de alerta e tensão. Quando as cócegas são prolongadas, o normal é que venham acompanhadas de uma grande risada nervosa e pequenos espasmos em áreas específicas do corpo. Esta reação faz com que liberemos grande quantidade de endorfina, e é por isso que a percebemos como prazerosa. Ao mesmo tempo, elas acendem respostas de alarme e tensão em nosso cérebro, por isso podemos percebê-las como algo pouco agradável.

 

Do ponto de vista psicológico, acredita-se que fazer e receber cócegas é um modo primitivo de gerar vínculos emocionais e prazerosos entre pais e filhos. Isto quer dizer que as cócegas são uma maneira de expressar afeto, e suprem uma necessidade de construir intimidade entre duas ou mais pessoas. Mas existe também uma teoria segundo a qual as cócegas são uma forma de dominação exercida sobretudo entre crianças. Assim, por exemplo, um irmão mais velho poderia usar as cócegas como forma de castigar o mais novo. Quando uma criança faz cócegas em outra, experimenta uma sensação de dominação. Nenhuma destas duas teorias exclui a outra, de maneira que as cócegas, em nível psicológico, podem decorrer de duas situações muito distintas: a necessidade de gerar vínculo emocional íntimo ou a necessidade de dominar.

 

Biologicamente, as cócegas representam uma vantagem evolutiva. Existe uma hipótese científica que sugere que o fato de sermos especialmente sensíveis em algumas áreas do corpo, nos obriga a estar alerta e desenvolver mecanismos de proteção. Segundo esta hipótese, as cócegas são a consequência evolutiva que cumpre a função de nos manter alerta e a salvo de perigos.

 

Nem todos sentimos cócegas pelas mesmas razões, nem com a mesma intensidade. Se você sente mais cócegas do que outras pessoas, certamente é porque seu corpo desenvolveu mais sensibilidade, ou porque tem um temperamento mais alerta. Isto quer dizer que seus instintos de autopreservação estão, literalmente, mais à flor da pele do que em outras pessoas. Se, ao contrário, você não sente muitas cócegas, isto talvez queira dizer que você tem tendência a se sentir no controle durante o contato com outras pessoas, que não se vê numa situação de vulnerabilidade quando se aproximam de você.

 

Existem dois tipos de cócegas: a knismesis e a gargalesis. O primeiro é um tipo de reação que os seres humanos têm em comum com outros mamíferos, e que é ativada pelo contato com insetos ou outros pequenos organismos que podem representar perigo. É um tipo de reação que tem o objetivo de proteger-nos e alertar-nos, podendo inclusive ser autoprovocado. O segundo, a gargalesis, é o tipo de cócegas que surge quando temos um contato prolongado e de surpresa com outro indivíduo, e nos sobressaltamos. Não podemos autoinduzir este tipo de reação, já que aqui, o fator surpresa é o que desencadeia as cócegas.

Você já se perguntou por que sente cócegas? A que se deve esta estranha reação do seu corpo, que pode ser prazerosa e dolorosa ao mesmo tempo?


 


A seguir, você verá quais tipos de cócegas existem e por que surgem.


 


As cócegas são reações nervosas que acontecem em nível cutâneo e muscular, e respondem a diferentes estímulos, colocando nosso corpo num estado de alerta e tensão. Quando as cócegas são prolongadas, o normal é que venham acompanhadas de uma grande risada nervosa e pequenos espasmos em áreas específicas do corpo. Esta reação faz com que liberemos grande quantidade de endorfina, e é por isso que a percebemos como prazerosa. Ao mesmo tempo, elas acendem respostas de alarme e tensão em nosso cérebro, por isso podemos percebê-las como algo pouco agradável.


 


PATROCINADORES

Do ponto de vista psicológico, acredita-se que fazer e receber cócegas é um modo primitivo de gerar vínculos emocionais e prazerosos entre pais e filhos. Isto quer dizer que as cócegas são uma maneira de expressar afeto, e suprem uma necessidade de construir intimidade entre duas ou mais pessoas. Mas existe também uma teoria segundo a qual as cócegas são uma forma de dominação exercida sobretudo entre crianças. Assim, por exemplo, um irmão mais velho poderia usar as cócegas como forma de castigar o mais novo. Quando uma criança faz cócegas em outra, experimenta uma sensação de dominação. Nenhuma destas duas teorias exclui a outra, de maneira que as cócegas, em nível psicológico, podem decorrer de duas situações muito distintas: a necessidade de gerar vínculo emocional íntimo ou a necessidade de dominar.


 


Biologicamente, as cócegas representam uma vantagem evolutiva. Existe uma hipótese científica que sugere que o fato de sermos especialmente sensíveis em algumas áreas do corpo, nos obriga a estar alerta e desenvolver mecanismos de proteção. Segundo esta hipótese, as cócegas são a consequência evolutiva que cumpre a função de nos manter alerta e a salvo de perigos.


 


Nem todos sentimos cócegas pelas mesmas razões, nem com a mesma intensidade. Se você sente mais cócegas do que outras pessoas, certamente é porque seu corpo desenvolveu mais sensibilidade, ou porque tem um temperamento mais alerta. Isto quer dizer que seus instintos de autopreservação estão, literalmente, mais à flor da pele do que em outras pessoas. Se, ao contrário, você não sente muitas cócegas, isto talvez queira dizer que você tem tendência a se sentir no controle durante o contato com outras pessoas, que não se vê numa situação de vulnerabilidade quando se aproximam de você.


 


Existem dois tipos de cócegas: a knismesis e a gargalesis. O primeiro é um tipo de reação que os seres humanos têm em comum com outros mamíferos, e que é ativada pelo contato com insetos ou outros pequenos organismos que podem representar perigo. É um tipo de reação que tem o objetivo de proteger-nos e alertar-nos, podendo inclusive ser autoprovocado. O segundo, a gargalesis, é o tipo de cócegas que surge quando temos um contato prolongado e de surpresa com outro indivíduo, e nos sobressaltamos. Não podemos autoinduzir este tipo de reação, já que aqui, o fator surpresa é o que desencadeia as cócegas.


Você já se perguntou por que sente cócegas? A que se deve esta estranha reação do seu corpo, que pode ser prazerosa e dolorosa ao mesmo tempo?



A seguir, você verá quais tipos de cócegas existem e por que surgem.



As cócegas são reações nervosas que acontecem em nível cutâneo e muscular, e respondem a diferentes estímulos, colocando nosso corpo num estado de alerta e tensão. Quando as cócegas são prolongadas, o normal é que venham acompanhadas de uma grande risada nervosa e pequenos espasmos em áreas específicas do corpo. Esta reação faz com que liberemos grande quantidade de endorfina, e é por isso que a percebemos como prazerosa. Ao mesmo tempo, elas acendem respostas de alarme e tensão em nosso cérebro, por isso podemos percebê-las como algo pouco agradável.



PATROCINADORES

Do ponto de vista psicológico, acredita-se que fazer e receber cócegas é um modo primitivo de gerar vínculos emocionais e prazerosos entre pais e filhos. Isto quer dizer que as cócegas são uma maneira de expressar afeto, e suprem uma necessidade de construir intimidade entre duas ou mais pessoas. Mas existe também uma teoria segundo a qual as cócegas são uma forma de dominação exercida sobretudo entre crianças. Assim, por exemplo, um irmão mais velho poderia usar as cócegas como forma de castigar o mais novo. Quando uma criança faz cócegas em outra, experimenta uma sensação de dominação. Nenhuma destas duas teorias exclui a outra, de maneira que as cócegas, em nível psicológico, podem decorrer de duas situações muito distintas: a necessidade de gerar vínculo emocional íntimo ou a necessidade de dominar.



Biologicamente, as cócegas representam uma vantagem evolutiva. Existe uma hipótese científica que sugere que o fato de sermos especialmente sensíveis em algumas áreas do corpo, nos obriga a estar alerta e desenvolver mecanismos de proteção. Segundo esta hipótese, as cócegas são a consequência evolutiva que cumpre a função de nos manter alerta e a salvo de perigos.



Nem todos sentimos cócegas pelas mesmas razões, nem com a mesma intensidade. Se você sente mais cócegas do que outras pessoas, certamente é porque seu corpo desenvolveu mais sensibilidade, ou porque tem um temperamento mais alerta. Isto quer dizer que seus instintos de autopreservação estão, literalmente, mais à flor da pele do que em outras pessoas. Se, ao contrário, você não sente muitas cócegas, isto talvez queira dizer que você tem tendência a se sentir no controle durante o contato com outras pessoas, que não se vê numa situação de vulnerabilidade quando se aproximam de você.



Existem dois tipos de cócegas: a knismesis e a gargalesis. O primeiro é um tipo de reação que os seres humanos têm em comum com outros mamíferos, e que é ativada pelo contato com insetos ou outros pequenos organismos que podem representar perigo. É um tipo de reação que tem o objetivo de proteger-nos e alertar-nos, podendo inclusive ser autoprovocado. O segundo, a gargalesis, é o tipo de cócegas que surge quando temos um contato prolongado e de surpresa com outro indivíduo, e nos sobressaltamos. Não podemos autoinduzir este tipo de reação, já que aqui, o fator surpresa é o que desencadeia as cócegas.



Veja Também