Primeiro transplante de córnea artificial do mundo restaura visão de homem cego

Publicado por Tv Minas em 25/01/2021 às 22h11

O transplante é o primeiro bem-sucedido do mundo; homem foi cego por 10 anos.

Médicos do Rabin Medical Center, em Israel, fizeram o primeiro transplante de córnea artificial bem-sucedido do mundo.

O paciente, um idoso de 78 anos, conseguiu recuperar sua visão após 10 anos com sua córnea deformada.

O implante artificial, denominado KPro, pode substituir uma córnea deformada ou opaca. Ele tem um nano-tecido sintético não degradável que é colocado sob uma membrana que cobre a superfície da pálpebra e a parte branca do globo ocular.

Ao ser implantado, ele se integra com o tecido vivo e estimula a “proliferação celular” dentro do olho.

O procedimento foi feito pela startup israelense CorNeat, que ganhou aprovação para testes clínicos em julho do ano passado.

O doutor Gilad Litvin, inventor do dispositivo, disse em entrevista a Israel Hayom que a operação era “relativamente simples” e durou menos de uma hora.

Jamal Furani, o paciente curado, foi capaz de ler textos e reconhecer parentes após o implante. A primeira coisa que ele afirma ter visto foi a luz. “Testemunhar um outro ser humano recuperar a visão no dia seguinte foi eletrizante e emocionalmente comovente”, disse Litvin.

Atualmente, transplantes de córnea são procedimentos comuns, mas necessitam de doadores e a demanda é alta. Os resultados deste transplante de córnea artificial são significantes para o futuro de pessoas cegas no mundo.

“O procedimento cirúrgico foi simples e o resultado superou todas as nossas expectativas”, disse o professor Irit Bahar, chefe de oftalmologia do Rabin Medical Center.

Ele complementa que a tecnologia era “a chave para virar a maré contra a cegueira global” e que era emocionante “estar na vanguarda desde projeto que sem dúvida impactará milhões de vidas”.

Outros 10 pacientes foram aprovados para o procedimento de transplante de córnea artificial no Rabin Medical Center.

Patrocinador:

Fonte: Exame

Compartilhe essa matéria: