news:

Sul de Minas

Famílias têm dificuldades com corte de leite especial em Pouso Alegre

Publicado por TV Minas em 13/10/2015

foto_principal.jpg

Produto é importante para crianças com intolerância à lactose. Custo médio da lata é de R$ 50; há famílias que precisam de nove por mês.

 

Parte do estoque de leite especial distribuído gratuitamente pela Prefeitura de Pouso Alegre (MG) está zerado. O produto é fornecido para crianças que possuem intolerância à lactose. Sem conseguir o alimento de graça, várias famílias têm arcado com os custos há dois meses. Cada lata custa em média R$ 50. A prefeitura afirma que já iniciou o processo de licitação para normalizar o fornecimento do leite.

 

Para alimentar o filho, a dona de casa Betânia Bispo da Silva precisa comprar pelo menos nove latas por mês, das quais seis eram fornecidas pelo município. Com a falta do leite, a situação está complicada. "Pra gente fica meio apertado, porque a gente tem duas crianças. E agora a gente não sabe o que faz", diz.

 

Na mesma situação se encontra outra mãe. A manicure pediu para não ser identificada, mas conta que o corte no fornecimento do leite está pesando no orçamento familiar. "Então não tem. Não tem como comprar esse leite. É muito caro e precisa usar", relata. "Toda hora que eu vou, todo mês que eu vou lá na Secretaria de Saúde, verificam se tem o produto, falam que não tem, porque não renovaram a verba pra pagar 'os' leite (sic)."

 

 

Sem substituto

 

Segundo o nutricionista Jailson Pereira, não há substituto para quem precisa do leite especial. "A criança pode ficar desnutrida por tentar substituir por sucos e outros produtos que não têm a mesma proteína", observa.

 

 

Reposição do estoque

 

O município distribuía oito tipos do leite especial por meio da unidade materno infantil do bairro São Geraldo. As funcionárias confirmaram a falta do alimento, mas não informaram quantas pessoas deixaram de ser atendidas ou o motivo da baixa no estoque.

 

Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde comunicou que dois tipos de leite continuam sendo fornecidos e que a compra dos demais deve ser normalizada em até 40 dias, com a conclusão do processo de licitação que já foi iniciado.

Produto é importante para crianças com intolerância à lactose. Custo médio da lata é de R$ 50; há famílias que precisam de nove por mês.


 


Parte do estoque de leite especial distribuído gratuitamente pela Prefeitura de Pouso Alegre (MG) está zerado. O produto é fornecido para crianças que possuem intolerância à lactose. Sem conseguir o alimento de graça, várias famílias têm arcado com os custos há dois meses. Cada lata custa em média R$ 50. A prefeitura afirma que já iniciou o processo de licitação para normalizar o fornecimento do leite.


 


Para alimentar o filho, a dona de casa Betânia Bispo da Silva precisa comprar pelo menos nove latas por mês, das quais seis eram fornecidas pelo município. Com a falta do leite, a situação está complicada. "Pra gente fica meio apertado, porque a gente tem duas crianças. E agora a gente não sabe o que faz", diz.


 


Na mesma situação se encontra outra mãe. A manicure pediu para não ser identificada, mas conta que o corte no fornecimento do leite está pesando no orçamento familiar. "Então não tem. Não tem como comprar esse leite. É muito caro e precisa usar", relata. "Toda hora que eu vou, todo mês que eu vou lá na Secretaria de Saúde, verificam se tem o produto, falam que não tem, porque não renovaram a verba pra pagar 'os' leite (sic)."


 


 


PATROCINADORES

Sem substituto


 


Segundo o nutricionista Jailson Pereira, não há substituto para quem precisa do leite especial. "A criança pode ficar desnutrida por tentar substituir por sucos e outros produtos que não têm a mesma proteína", observa.


 


 


Reposição do estoque


 


O município distribuía oito tipos do leite especial por meio da unidade materno infantil do bairro São Geraldo. As funcionárias confirmaram a falta do alimento, mas não informaram quantas pessoas deixaram de ser atendidas ou o motivo da baixa no estoque.


 


Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde comunicou que dois tipos de leite continuam sendo fornecidos e que a compra dos demais deve ser normalizada em até 40 dias, com a conclusão do processo de licitação que já foi iniciado.


Produto é importante para crianças com intolerância à lactose. Custo médio da lata é de R$ 50; há famílias que precisam de nove por mês.



Parte do estoque de leite especial distribuído gratuitamente pela Prefeitura de Pouso Alegre (MG) está zerado. O produto é fornecido para crianças que possuem intolerância à lactose. Sem conseguir o alimento de graça, várias famílias têm arcado com os custos há dois meses. Cada lata custa em média R$ 50. A prefeitura afirma que já iniciou o processo de licitação para normalizar o fornecimento do leite.



Para alimentar o filho, a dona de casa Betânia Bispo da Silva precisa comprar pelo menos nove latas por mês, das quais seis eram fornecidas pelo município. Com a falta do leite, a situação está complicada. "Pra gente fica meio apertado, porque a gente tem duas crianças. E agora a gente não sabe o que faz", diz.



PATROCINADORES

Na mesma situação se encontra outra mãe. A manicure pediu para não ser identificada, mas conta que o corte no fornecimento do leite está pesando no orçamento familiar. "Então não tem. Não tem como comprar esse leite. É muito caro e precisa usar", relata. "Toda hora que eu vou, todo mês que eu vou lá na Secretaria de Saúde, verificam se tem o produto, falam que não tem, porque não renovaram a verba pra pagar 'os' leite (sic)."



Sem substituto



Segundo o nutricionista Jailson Pereira, não há substituto para quem precisa do leite especial. "A criança pode ficar desnutrida por tentar substituir por sucos e outros produtos que não têm a mesma proteína", observa.



PATROCINADORES

Reposição do estoque



O município distribuía oito tipos do leite especial por meio da unidade materno infantil do bairro São Geraldo. As funcionárias confirmaram a falta do alimento, mas não informaram quantas pessoas deixaram de ser atendidas ou o motivo da baixa no estoque.



Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde comunicou que dois tipos de leite continuam sendo fornecidos e que a compra dos demais deve ser normalizada em até 40 dias, com a conclusão do processo de licitação que já foi iniciado.



Veja Também