news:

Sul de Minas

Obra de ampliação de unidade de câncer está parada no Sul de Minas

Publicado por TV Minas em 14/10/2015

foto_principal.jpg

Unidade já deveria ter ficado pronta há 2 anos, mas local só tem tapumes. Centro recebe cerca de 1000 pacientes por mês em Poços de Caldas.

 

Pacientes que precisam de tratamento contra o câncer esperam pela ampliação do Centro de Alta Complexidade em Oncologia de Poços de Caldas (MG). A obra já deveria ter ficado pronta há dois anos, mas no local só existem tapumes e um terreno vazio.

 

A unidade recebe por mês cerca de mil pacientes vindos de 80 municípios da região. Por causa do grande acúmulo de pessoas, a recepção costuma ficar cheia e os corredores também, o que provoca a demora no atendimento.

 

A ampliação da unidade foi anunciada em uma cerimônia em 2013 que teve a participação do então vice-governador do Estado, Alberto Pinto Coelho. Pelo projeto, a capacidade de atendimento da unidade dobraria, com 4 mil metros quadrados de área construída com recursos de cerca de R$ 10 milhões. Cerca de R$ 600 mil foram liberados para o projeto, mas nem sinal da construção. 

 

"Reconhecemos o tratamento que é oferecido para a população de Poços de Caldas e região, mas acreditamos que a melhoria, o avanço da estrutura física será muito importante para nós", disse o vereador Flávio Varia (Rede), que fez vários requerimentos pedindo informações sobre a obra para a prefeitura.

 

Segundo o prefeito da cidade, existe uma diferença no orçamento da obra.

 

"O projeto da obra agora já está pronto e com esse projeto nós descobrimos que o valor exato da obra é em torno de R$ 16 milhões. Então esse é o primeiro problema enfrentado, pois os dois convênios que nós tínhamos anteriormente, que nós temos, eles somam R$ 10 milhões. Então neste momento, ficou definido que agora com o projeto pronto nós vamos refazer esse convênio, estipulando o valor agora no valor correto, que seria de R$ 16 milhões. Até novembro, esse convênio vai ser refeito e no segundo semestre do ano que vem a obra começa agora sem grandes transtornos e maiores atrasos", disse o prefeito Eloísio Lourenço Xavier.

Unidade já deveria ter ficado pronta há 2 anos, mas local só tem tapumes. Centro recebe cerca de 1000 pacientes por mês em Poços de Caldas.


 


Pacientes que precisam de tratamento contra o câncer esperam pela ampliação do Centro de Alta Complexidade em Oncologia de Poços de Caldas (MG). A obra já deveria ter ficado pronta há dois anos, mas no local só existem tapumes e um terreno vazio.


 


A unidade recebe por mês cerca de mil pacientes vindos de 80 municípios da região. Por causa do grande acúmulo de pessoas, a recepção costuma ficar cheia e os corredores também, o que provoca a demora no atendimento.


 


PATROCINADORES

A ampliação da unidade foi anunciada em uma cerimônia em 2013 que teve a participação do então vice-governador do Estado, Alberto Pinto Coelho. Pelo projeto, a capacidade de atendimento da unidade dobraria, com 4 mil metros quadrados de área construída com recursos de cerca de R$ 10 milhões. Cerca de R$ 600 mil foram liberados para o projeto, mas nem sinal da construção. 


 


"Reconhecemos o tratamento que é oferecido para a população de Poços de Caldas e região, mas acreditamos que a melhoria, o avanço da estrutura física será muito importante para nós", disse o vereador Flávio Varia (Rede), que fez vários requerimentos pedindo informações sobre a obra para a prefeitura.


 


Segundo o prefeito da cidade, existe uma diferença no orçamento da obra.


 


"O projeto da obra agora já está pronto e com esse projeto nós descobrimos que o valor exato da obra é em torno de R$ 16 milhões. Então esse é o primeiro problema enfrentado, pois os dois convênios que nós tínhamos anteriormente, que nós temos, eles somam R$ 10 milhões. Então neste momento, ficou definido que agora com o projeto pronto nós vamos refazer esse convênio, estipulando o valor agora no valor correto, que seria de R$ 16 milhões. Até novembro, esse convênio vai ser refeito e no segundo semestre do ano que vem a obra começa agora sem grandes transtornos e maiores atrasos", disse o prefeito Eloísio Lourenço Xavier.


Unidade já deveria ter ficado pronta há 2 anos, mas local só tem tapumes. Centro recebe cerca de 1000 pacientes por mês em Poços de Caldas.



Pacientes que precisam de tratamento contra o câncer esperam pela ampliação do Centro de Alta Complexidade em Oncologia de Poços de Caldas (MG). A obra já deveria ter ficado pronta há dois anos, mas no local só existem tapumes e um terreno vazio.



A unidade recebe por mês cerca de mil pacientes vindos de 80 municípios da região. Por causa do grande acúmulo de pessoas, a recepção costuma ficar cheia e os corredores também, o que provoca a demora no atendimento.



PATROCINADORES

A ampliação da unidade foi anunciada em uma cerimônia em 2013 que teve a participação do então vice-governador do Estado, Alberto Pinto Coelho. Pelo projeto, a capacidade de atendimento da unidade dobraria, com 4 mil metros quadrados de área construída com recursos de cerca de R$ 10 milhões. Cerca de R$ 600 mil foram liberados para o projeto, mas nem sinal da construção. 



"Reconhecemos o tratamento que é oferecido para a população de Poços de Caldas e região, mas acreditamos que a melhoria, o avanço da estrutura física será muito importante para nós", disse o vereador Flávio Varia (Rede), que fez vários requerimentos pedindo informações sobre a obra para a prefeitura.



Segundo o prefeito da cidade, existe uma diferença no orçamento da obra.



"O projeto da obra agora já está pronto e com esse projeto nós descobrimos que o valor exato da obra é em torno de R$ 16 milhões. Então esse é o primeiro problema enfrentado, pois os dois convênios que nós tínhamos anteriormente, que nós temos, eles somam R$ 10 milhões. Então neste momento, ficou definido que agora com o projeto pronto nós vamos refazer esse convênio, estipulando o valor agora no valor correto, que seria de R$ 16 milhões. Até novembro, esse convênio vai ser refeito e no segundo semestre do ano que vem a obra começa agora sem grandes transtornos e maiores atrasos", disse o prefeito Eloísio Lourenço Xavier.



Veja Também