news:

Ciência & Tecnologia

Facebook ataca YouTube por futuro do compartilhamento

Publicado por TV Minas em 14/10/2015

523626679.jpg

Uma nova funcionalidade nos apps do Facebook mostra que a empresa está pronta para bater de frente com o YouTube no quesito vídeos. Nesta semana, a rede social anunciou novidades relacionadas à exibição de vídeos em sua plataforma.

 

A principal mudança é a criação de uma aba com foco em vídeos dentro do Facebook. Lá, estarão reunidos vídeos guardados pelo usuário e alguns sugeridos pelo algoritmo da rede social.

 

Os primeiros testes estão sendo feitos dentro do app para iPhones — o Facebook afirma que nos próximos meses essa funcionalidade deve chegar ao Android também.

 

Outra mudança é a possibilidade de assistir o vídeo enquanto se navega pela rede. “Estamos testando uma maneira de fazer com que as pessoas assistam a vídeos em uma tela flutuante”, escreveu a empresa em um comunicado.

 

Os esforços são uma tentativa de o Facebook deixar os vídeos ainda mais importantes na rede social. A empresa vem anunciando várias novidades nesse mercado — desde a chegada de vídeos em 360º até o lançamento (sem muito sucesso) do Riff, um app para vídeos.

 

 

YouTube

 

O principal rival do Facebook nesse momento é o YouTube, do Google. O foco do Facebook nesse tipo de conteúdo é muito mais recente, no entanto e tem mostrado rápido crescimento.

 

Em março, a rede social anunciou ter 4 bilhões de visualizações de vídeos por dia. O YouTube havia atingido essa marca em 2012 e não revela números atuais diários.

 

Em sua apresentação na conferência F8 deste ano, Mark Zuckerberg deixou clara a importância de vídeos para o Facebook.

 

Ele disse aos presentes a sua visão de compartilhamento na internet. No início, o material era basicamente texto. Depois disso, passou para fotos. É importante lembrar que o Facebook adquiriu o Instagram em 2012 por um bilhão de dólares.

 

Em um curto prazo, na visão do CEO, o conteúdo mais importante para as pessoas será vídeos. Os esforços recentes, portanto, se encaixam aqui.

 

Para Zuckerberg, o próximo passo será o compartilhamento de realidade virtual. Neste quesito, a empresa também está bem resolvida. No início do ano passado, o Facebook comprou a Oculus VR por dois bilhões de dólares.

Uma nova funcionalidade nos apps do Facebook mostra que a empresa está pronta para bater de frente com o YouTube no quesito vídeos. Nesta semana, a rede social anunciou novidades relacionadas à exibição de vídeos em sua plataforma.


 


A principal mudança é a criação de uma aba com foco em vídeos dentro do Facebook. Lá, estarão reunidos vídeos guardados pelo usuário e alguns sugeridos pelo algoritmo da rede social.


 


Os primeiros testes estão sendo feitos dentro do app para iPhones — o Facebook afirma que nos próximos meses essa funcionalidade deve chegar ao Android também.


 


Outra mudança é a possibilidade de assistir o vídeo enquanto se navega pela rede. “Estamos testando uma maneira de fazer com que as pessoas assistam a vídeos em uma tela flutuante”, escreveu a empresa em um comunicado.


 


Os esforços são uma tentativa de o Facebook deixar os vídeos ainda mais importantes na rede social. A empresa vem anunciando várias novidades nesse mercado — desde a chegada de vídeos em 360º até o lançamento (sem muito sucesso) do Riff, um app para vídeos.


 


 


YouTube


PATROCINADORES

 


O principal rival do Facebook nesse momento é o YouTube, do Google. O foco do Facebook nesse tipo de conteúdo é muito mais recente, no entanto e tem mostrado rápido crescimento.


 


Em março, a rede social anunciou ter 4 bilhões de visualizações de vídeos por dia. O YouTube havia atingido essa marca em 2012 e não revela números atuais diários.


 


Em sua apresentação na conferência F8 deste ano, Mark Zuckerberg deixou clara a importância de vídeos para o Facebook.


 


Ele disse aos presentes a sua visão de compartilhamento na internet. No início, o material era basicamente texto. Depois disso, passou para fotos. É importante lembrar que o Facebook adquiriu o Instagram em 2012 por um bilhão de dólares.


 


Em um curto prazo, na visão do CEO, o conteúdo mais importante para as pessoas será vídeos. Os esforços recentes, portanto, se encaixam aqui.


 


Para Zuckerberg, o próximo passo será o compartilhamento de realidade virtual. Neste quesito, a empresa também está bem resolvida. No início do ano passado, o Facebook comprou a Oculus VR por dois bilhões de dólares.


Uma nova funcionalidade nos apps do Facebook mostra que a empresa está pronta para bater de frente com o YouTube no quesito vídeos. Nesta semana, a rede social anunciou novidades relacionadas à exibição de vídeos em sua plataforma.



A principal mudança é a criação de uma aba com foco em vídeos dentro do Facebook. Lá, estarão reunidos vídeos guardados pelo usuário e alguns sugeridos pelo algoritmo da rede social.



Os primeiros testes estão sendo feitos dentro do app para iPhones — o Facebook afirma que nos próximos meses essa funcionalidade deve chegar ao Android também.



Outra mudança é a possibilidade de assistir o vídeo enquanto se navega pela rede. “Estamos testando uma maneira de fazer com que as pessoas assistam a vídeos em uma tela flutuante”, escreveu a empresa em um comunicado.



PATROCINADORES

Os esforços são uma tentativa de o Facebook deixar os vídeos ainda mais importantes na rede social. A empresa vem anunciando várias novidades nesse mercado — desde a chegada de vídeos em 360º até o lançamento (sem muito sucesso) do Riff, um app para vídeos.



YouTube



O principal rival do Facebook nesse momento é o YouTube, do Google. O foco do Facebook nesse tipo de conteúdo é muito mais recente, no entanto e tem mostrado rápido crescimento.



Em março, a rede social anunciou ter 4 bilhões de visualizações de vídeos por dia. O YouTube havia atingido essa marca em 2012 e não revela números atuais diários.



PATROCINADORES

Em sua apresentação na conferência F8 deste ano, Mark Zuckerberg deixou clara a importância de vídeos para o Facebook.



Ele disse aos presentes a sua visão de compartilhamento na internet. No início, o material era basicamente texto. Depois disso, passou para fotos. É importante lembrar que o Facebook adquiriu o Instagram em 2012 por um bilhão de dólares.



Em um curto prazo, na visão do CEO, o conteúdo mais importante para as pessoas será vídeos. Os esforços recentes, portanto, se encaixam aqui.



Para Zuckerberg, o próximo passo será o compartilhamento de realidade virtual. Neste quesito, a empresa também está bem resolvida. No início do ano passado, o Facebook comprou a Oculus VR por dois bilhões de dólares.



Veja Também