news:

Sul de Minas

Polícia prende casal suspeito de assassinar universitária de Extrema

Publicado por TV Minas em 10/11/2015

foto_principal.jpg

Segundo polícia, eles foram levados para Pouso Alegre onde serão ouvidos. Larissa Gonçalves de Souza, de 21 anos, foi morta em Extrema (MG).

 

A Polícia Civil prendeu o casal suspeito de executar a jovem Larissa Gonçalves de Souza, de 21 anos, em Extrema (MG). Eles foram presos na noite desta segunda-feira (9) em São Paulo e depois levados para o Presídio de Pouso Alegre (MG). Um dos suspeitos está sendo ouvido na tarde desta terça-feira (10) na delegacia regional da cidade junto com o comerciante José Roberto Freire e o sobrinho dele, Wellington Luiz Freire Cordeiro, que já estavam presos.

 

Policiais Civis de São Paulo também devem ouvir o comerciante sobre outros crimes pelos quais ele é acusado. Mais cedo, a polícia havia informado que três suspeitos tinham sido detidos, o que foi corrigido pouco depois.

 

As investigações apontam que a morte da jovem, com requintes de crueldade, teria sido encomendada por RS 1 mil pelo comerciante, que teria um caso com Lucas Gamero, namorado dela. Três suspeitos já cumpriam prisão temporária: o comerciante José Roberto Freire; o namorado de Larissa: Lucas Gamero e Wellington Luiz Freire Cordeiro, sobrinho do comerciante. José Roberto disse à polícia que quem teve a ideia e pagou pelo sequestro foi o namorado da menina. Em depoimento, ele afirmou ter uma relação amorosa com Lucas. O jovem nega tudo.

 

"Ele negou participação, negou envolvimento com José Roberto, negou ter dado dinheiro, negou ser o mentor intelectual do crime", disse o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto.

 

José Roberto Freire morava há dois anos em Extrema. Ele é dono de uma loja de roupas e contratava jovens para desfiles de moda. Lucas Gamero já havia desfilado para ele. Clientes descrevem o comerciante como uma pessoa discreta, mas a polícia descobriu que ele já tinha outras passagens pela polícia. Ele é investigado por desviar R$ 60 mil da Prefeitura de Avaré (SP) e também é suspeito de matar um ex-companheiro em 2012.

 

Uma tia de Larissa contou que a jovem já tinha reclamado do comportamento de José Roberto anteriormente. "Ele não gostava dela, isso ela sempre falou", disse a tia, Nadir da Fonseca Oliveira.

 

Larissa morava na zona rural de Extrema. Segundo a família, Lucas, o namorado que está preso, ia até a casa dela com frequência. A família diz que nunca suspeitou do rapaz. Larissa e Lucas se conheciam há 4 anos e já tinham sido vizinhos anteriormente. Lucas era modelo e estudava administração na mesma faculdade que ela. Eles começaram a namorar no ano passado. No velório da namorada, o rapaz, que agora está sob suspeita, chorou de joelhos na frente da mãe da jovem.

 

 

Crueldade

 

O corpo de Larissa foi encontrado na terça-feira (3) na Serra do Lopo, ponto turístico da cidade, após ser jogado de uma ribanceira de cerca de 30 metros. Segundo a médica legista que atendeu o caso, o corpo estava em estado avançado de decomposição e apresentava diversos sinais de violência.

 

"Ela estava com o corpo amarrado. Os punhos estavam amarrados aos tornozelos com fios elétricos. Pelos sinais, tudo indica que ela foi amarrada em vida. A cabeça foi toda envolta com uma fita adesiva e o corpo foi encontrado dentro de uma sacola de transporte", disse a legista Tatiana Telles Koeler de Matos.

 

Ainda segundo a médica legista, o estado em que o corpo foi encontrado dificultou a avaliação técnica e não permite precisar como ela foi morta.

 

"Como a cabeça estava envolta em fita adesiva, eu não tinha elementos técnicos para dizer se a morte se deu pela asfixia por obstrução das vias áreas pela fita adesiva ou se ela morreu pelo estrangulamento", afirmou Tatiana Koeler.

 

O corpo da jovem foi velado ainda durante a noite de terça-feira (3) e enterrado na madrugada de quarta-feira (4) no Cemitério Municipal de Extrema. Centenas de pessoas acompanharam o velório e o sepultamento. Na noite de quarta-feira, amigos e familiares se reuniram no Santuário de Santa Rita de Extrema para prestar as últimas homenagens para a estudante.

 

 

Envolvimento do namorado

 

A polícia investiga o envolvimento do namorado da jovem no crime. Gamero teve a prisão temporária decretada após depoimento de Freire à polícia, que o apontou como mandante do assassinato. Segundo o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto, que investiga o caso, uma testemunha teria provado que o comerciante e o namorado da jovem tinham um relacionamento amoroso. O delegado também teria dito que foi o namorado quem deu o dinheiro para que um casal fosse contratado em São Paulo (SP) para a execução do crime.

 

"Segundo o que está preso, José Roberto, ele [Lucas Gamero] tem envolvimento no fato sim. Ele teria dado a ideia do sequestro e da morte. São declarações do José Roberto. Agora nós vamos tomar as declarações Lucas e procurar outros meios de prova para certificar dessa realidade ou não", disse o delegado. "O Lucas não queria que se tornasse pública a condição de homossexual dele", completou.

 

Conforme a polícia, o casal que executou o crime teria sido contratado por um garoto de programa, a pedido do comerciante que está preso.

 

"No dia, José Roberto entrou em contato com o garoto de programa e marcou na praça. Esse rapaz veio com uma mulher que ele [Freire] não sabe o nome e foi direto para o pátio da rodoviária. Eles já sabiam a rotina da Larissa", diz o delegado.

 

"Depois que ela chegou, eles já a abordaram e seguiram em direção à casa [de Freire]. Ela foi morta na casa dele. Depois, eles enrolaram o corpo e desovaram", explicou Valdemar Pinto.
Pais não acreditam em participação

 

Os pais de Larissa não acreditam que Gamero esteja envolvido de alguma forma no crime. "Neste momento, pra mim, o Lucas não tem participação. Até que se prove o contrário, ele é inocente", afirmou o pai de Larissa, Luís Carlos Gonçalves de Souza.

 

"O delegado disse que pediu a prisão preventiva dele, mas não sabemos o por quê. Seria uma decepção total, porque ele participava diretamente com a minha família, mas eu não acredito nisso, eu não acredito", disse.

 

A mãe de Larissa também não acredita nesta versão e disse que saberia se a filha tivesse descoberto que o namorado tinha uma relação homossexual.

 

"Isso não, porque ela teria me falado, ela era muito confidente comigo", disse a mãe Maria Nicéia de Oliveira Souza.

 

 

Revolta dos moradores

 

Após o anúncio de que o corpo foi encontrado e o suspeito foi preso, moradores de Extrema, revoltados, depredaram a loja de roupas de Freire. A Polícia Militar chegou a isolar a área, mas o grupo de cerca de 500 pessoas passou pelo bloqueio e ateou fogo ao local, que ficou destruído.

Segundo polícia, eles foram levados para Pouso Alegre onde serão ouvidos. Larissa Gonçalves de Souza, de 21 anos, foi morta em Extrema (MG).


 


A Polícia Civil prendeu o casal suspeito de executar a jovem Larissa Gonçalves de Souza, de 21 anos, em Extrema (MG). Eles foram presos na noite desta segunda-feira (9) em São Paulo e depois levados para o Presídio de Pouso Alegre (MG). Um dos suspeitos está sendo ouvido na tarde desta terça-feira (10) na delegacia regional da cidade junto com o comerciante José Roberto Freire e o sobrinho dele, Wellington Luiz Freire Cordeiro, que já estavam presos.


 


Policiais Civis de São Paulo também devem ouvir o comerciante sobre outros crimes pelos quais ele é acusado. Mais cedo, a polícia havia informado que três suspeitos tinham sido detidos, o que foi corrigido pouco depois.


 


As investigações apontam que a morte da jovem, com requintes de crueldade, teria sido encomendada por RS 1 mil pelo comerciante, que teria um caso com Lucas Gamero, namorado dela. Três suspeitos já cumpriam prisão temporária: o comerciante José Roberto Freire; o namorado de Larissa: Lucas Gamero e Wellington Luiz Freire Cordeiro, sobrinho do comerciante. José Roberto disse à polícia que quem teve a ideia e pagou pelo sequestro foi o namorado da menina. Em depoimento, ele afirmou ter uma relação amorosa com Lucas. O jovem nega tudo.


 


"Ele negou participação, negou envolvimento com José Roberto, negou ter dado dinheiro, negou ser o mentor intelectual do crime", disse o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto.


 


José Roberto Freire morava há dois anos em Extrema. Ele é dono de uma loja de roupas e contratava jovens para desfiles de moda. Lucas Gamero já havia desfilado para ele. Clientes descrevem o comerciante como uma pessoa discreta, mas a polícia descobriu que ele já tinha outras passagens pela polícia. Ele é investigado por desviar R$ 60 mil da Prefeitura de Avaré (SP) e também é suspeito de matar um ex-companheiro em 2012.


 


Uma tia de Larissa contou que a jovem já tinha reclamado do comportamento de José Roberto anteriormente. "Ele não gostava dela, isso ela sempre falou", disse a tia, Nadir da Fonseca Oliveira.


 


Larissa morava na zona rural de Extrema. Segundo a família, Lucas, o namorado que está preso, ia até a casa dela com frequência. A família diz que nunca suspeitou do rapaz. Larissa e Lucas se conheciam há 4 anos e já tinham sido vizinhos anteriormente. Lucas era modelo e estudava administração na mesma faculdade que ela. Eles começaram a namorar no ano passado. No velório da namorada, o rapaz, que agora está sob suspeita, chorou de joelhos na frente da mãe da jovem.


 


 


Crueldade


 


O corpo de Larissa foi encontrado na terça-feira (3) na Serra do Lopo, ponto turístico da cidade, após ser jogado de uma ribanceira de cerca de 30 metros. Segundo a médica legista que atendeu o caso, o corpo estava em estado avançado de decomposição e apresentava diversos sinais de violência.


 


"Ela estava com o corpo amarrado. Os punhos estavam amarrados aos tornozelos com fios elétricos. Pelos sinais, tudo indica que ela foi amarrada em vida. A cabeça foi toda envolta com uma fita adesiva e o corpo foi encontrado dentro de uma sacola de transporte", disse a legista Tatiana Telles Koeler de Matos.


 


Ainda segundo a médica legista, o estado em que o corpo foi encontrado dificultou a avaliação técnica e não permite precisar como ela foi morta.


 


"Como a cabeça estava envolta em fita adesiva, eu não tinha elementos técnicos para dizer se a morte se deu pela asfixia por obstrução das vias áreas pela fita adesiva ou se ela morreu pelo estrangulamento", afirmou Tatiana Koeler.


 


PATROCINADORES

O corpo da jovem foi velado ainda durante a noite de terça-feira (3) e enterrado na madrugada de quarta-feira (4) no Cemitério Municipal de Extrema. Centenas de pessoas acompanharam o velório e o sepultamento. Na noite de quarta-feira, amigos e familiares se reuniram no Santuário de Santa Rita de Extrema para prestar as últimas homenagens para a estudante.


 


 


Envolvimento do namorado


 


A polícia investiga o envolvimento do namorado da jovem no crime. Gamero teve a prisão temporária decretada após depoimento de Freire à polícia, que o apontou como mandante do assassinato. Segundo o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto, que investiga o caso, uma testemunha teria provado que o comerciante e o namorado da jovem tinham um relacionamento amoroso. O delegado também teria dito que foi o namorado quem deu o dinheiro para que um casal fosse contratado em São Paulo (SP) para a execução do crime.


 


"Segundo o que está preso, José Roberto, ele [Lucas Gamero] tem envolvimento no fato sim. Ele teria dado a ideia do sequestro e da morte. São declarações do José Roberto. Agora nós vamos tomar as declarações Lucas e procurar outros meios de prova para certificar dessa realidade ou não", disse o delegado. "O Lucas não queria que se tornasse pública a condição de homossexual dele", completou.


 


Conforme a polícia, o casal que executou o crime teria sido contratado por um garoto de programa, a pedido do comerciante que está preso.


 


"No dia, José Roberto entrou em contato com o garoto de programa e marcou na praça. Esse rapaz veio com uma mulher que ele [Freire] não sabe o nome e foi direto para o pátio da rodoviária. Eles já sabiam a rotina da Larissa", diz o delegado.


 


"Depois que ela chegou, eles já a abordaram e seguiram em direção à casa [de Freire]. Ela foi morta na casa dele. Depois, eles enrolaram o corpo e desovaram", explicou Valdemar Pinto.
Pais não acreditam em participação


 


Os pais de Larissa não acreditam que Gamero esteja envolvido de alguma forma no crime. "Neste momento, pra mim, o Lucas não tem participação. Até que se prove o contrário, ele é inocente", afirmou o pai de Larissa, Luís Carlos Gonçalves de Souza.


 


"O delegado disse que pediu a prisão preventiva dele, mas não sabemos o por quê. Seria uma decepção total, porque ele participava diretamente com a minha família, mas eu não acredito nisso, eu não acredito", disse.


 


A mãe de Larissa também não acredita nesta versão e disse que saberia se a filha tivesse descoberto que o namorado tinha uma relação homossexual.


 


"Isso não, porque ela teria me falado, ela era muito confidente comigo", disse a mãe Maria Nicéia de Oliveira Souza.


 


 


Revolta dos moradores


 


Após o anúncio de que o corpo foi encontrado e o suspeito foi preso, moradores de Extrema, revoltados, depredaram a loja de roupas de Freire. A Polícia Militar chegou a isolar a área, mas o grupo de cerca de 500 pessoas passou pelo bloqueio e ateou fogo ao local, que ficou destruído.


Segundo polícia, eles foram levados para Pouso Alegre onde serão ouvidos. Larissa Gonçalves de Souza, de 21 anos, foi morta em Extrema (MG).



A Polícia Civil prendeu o casal suspeito de executar a jovem Larissa Gonçalves de Souza, de 21 anos, em Extrema (MG). Eles foram presos na noite desta segunda-feira (9) em São Paulo e depois levados para o Presídio de Pouso Alegre (MG). Um dos suspeitos está sendo ouvido na tarde desta terça-feira (10) na delegacia regional da cidade junto com o comerciante José Roberto Freire e o sobrinho dele, Wellington Luiz Freire Cordeiro, que já estavam presos.



Policiais Civis de São Paulo também devem ouvir o comerciante sobre outros crimes pelos quais ele é acusado. Mais cedo, a polícia havia informado que três suspeitos tinham sido detidos, o que foi corrigido pouco depois.



As investigações apontam que a morte da jovem, com requintes de crueldade, teria sido encomendada por RS 1 mil pelo comerciante, que teria um caso com Lucas Gamero, namorado dela. Três suspeitos já cumpriam prisão temporária: o comerciante José Roberto Freire; o namorado de Larissa: Lucas Gamero e Wellington Luiz Freire Cordeiro, sobrinho do comerciante. José Roberto disse à polícia que quem teve a ideia e pagou pelo sequestro foi o namorado da menina. Em depoimento, ele afirmou ter uma relação amorosa com Lucas. O jovem nega tudo.



"Ele negou participação, negou envolvimento com José Roberto, negou ter dado dinheiro, negou ser o mentor intelectual do crime", disse o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto.



José Roberto Freire morava há dois anos em Extrema. Ele é dono de uma loja de roupas e contratava jovens para desfiles de moda. Lucas Gamero já havia desfilado para ele. Clientes descrevem o comerciante como uma pessoa discreta, mas a polícia descobriu que ele já tinha outras passagens pela polícia. Ele é investigado por desviar R$ 60 mil da Prefeitura de Avaré (SP) e também é suspeito de matar um ex-companheiro em 2012.



Uma tia de Larissa contou que a jovem já tinha reclamado do comportamento de José Roberto anteriormente. "Ele não gostava dela, isso ela sempre falou", disse a tia, Nadir da Fonseca Oliveira.



Larissa morava na zona rural de Extrema. Segundo a família, Lucas, o namorado que está preso, ia até a casa dela com frequência. A família diz que nunca suspeitou do rapaz. Larissa e Lucas se conheciam há 4 anos e já tinham sido vizinhos anteriormente. Lucas era modelo e estudava administração na mesma faculdade que ela. Eles começaram a namorar no ano passado. No velório da namorada, o rapaz, que agora está sob suspeita, chorou de joelhos na frente da mãe da jovem.



Crueldade



PATROCINADORES

O corpo de Larissa foi encontrado na terça-feira (3) na Serra do Lopo, ponto turístico da cidade, após ser jogado de uma ribanceira de cerca de 30 metros. Segundo a médica legista que atendeu o caso, o corpo estava em estado avançado de decomposição e apresentava diversos sinais de violência.



"Ela estava com o corpo amarrado. Os punhos estavam amarrados aos tornozelos com fios elétricos. Pelos sinais, tudo indica que ela foi amarrada em vida. A cabeça foi toda envolta com uma fita adesiva e o corpo foi encontrado dentro de uma sacola de transporte", disse a legista Tatiana Telles Koeler de Matos.



Ainda segundo a médica legista, o estado em que o corpo foi encontrado dificultou a avaliação técnica e não permite precisar como ela foi morta.



"Como a cabeça estava envolta em fita adesiva, eu não tinha elementos técnicos para dizer se a morte se deu pela asfixia por obstrução das vias áreas pela fita adesiva ou se ela morreu pelo estrangulamento", afirmou Tatiana Koeler.



O corpo da jovem foi velado ainda durante a noite de terça-feira (3) e enterrado na madrugada de quarta-feira (4) no Cemitério Municipal de Extrema. Centenas de pessoas acompanharam o velório e o sepultamento. Na noite de quarta-feira, amigos e familiares se reuniram no Santuário de Santa Rita de Extrema para prestar as últimas homenagens para a estudante.



Envolvimento do namorado



A polícia investiga o envolvimento do namorado da jovem no crime. Gamero teve a prisão temporária decretada após depoimento de Freire à polícia, que o apontou como mandante do assassinato. Segundo o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto, que investiga o caso, uma testemunha teria provado que o comerciante e o namorado da jovem tinham um relacionamento amoroso. O delegado também teria dito que foi o namorado quem deu o dinheiro para que um casal fosse contratado em São Paulo (SP) para a execução do crime.



"Segundo o que está preso, José Roberto, ele [Lucas Gamero] tem envolvimento no fato sim. Ele teria dado a ideia do sequestro e da morte. São declarações do José Roberto. Agora nós vamos tomar as declarações Lucas e procurar outros meios de prova para certificar dessa realidade ou não", disse o delegado. "O Lucas não queria que se tornasse pública a condição de homossexual dele", completou.



PATROCINADORES

Conforme a polícia, o casal que executou o crime teria sido contratado por um garoto de programa, a pedido do comerciante que está preso.



"No dia, José Roberto entrou em contato com o garoto de programa e marcou na praça. Esse rapaz veio com uma mulher que ele [Freire] não sabe o nome e foi direto para o pátio da rodoviária. Eles já sabiam a rotina da Larissa", diz o delegado.



"Depois que ela chegou, eles já a abordaram e seguiram em direção à casa [de Freire]. Ela foi morta na casa dele. Depois, eles enrolaram o corpo e desovaram", explicou Valdemar Pinto.
Pais não acreditam em participação



Os pais de Larissa não acreditam que Gamero esteja envolvido de alguma forma no crime. "Neste momento, pra mim, o Lucas não tem participação. Até que se prove o contrário, ele é inocente", afirmou o pai de Larissa, Luís Carlos Gonçalves de Souza.



"O delegado disse que pediu a prisão preventiva dele, mas não sabemos o por quê. Seria uma decepção total, porque ele participava diretamente com a minha família, mas eu não acredito nisso, eu não acredito", disse.



A mãe de Larissa também não acredita nesta versão e disse que saberia se a filha tivesse descoberto que o namorado tinha uma relação homossexual.



"Isso não, porque ela teria me falado, ela era muito confidente comigo", disse a mãe Maria Nicéia de Oliveira Souza.



Revolta dos moradores



Após o anúncio de que o corpo foi encontrado e o suspeito foi preso, moradores de Extrema, revoltados, depredaram a loja de roupas de Freire. A Polícia Militar chegou a isolar a área, mas o grupo de cerca de 500 pessoas passou pelo bloqueio e ateou fogo ao local, que ficou destruído.



Veja Também