news:

Notícias

Gasolina está quase 70% mais cara no Brasil do que no exterior

Publicado por TV Minas em 11/11/2015

foto_principal.jpg

Governo vai aumentar impostos dos combustíveis. Nas refinarias, litro da gasolina deve subir R$ 0,22. E o diesel, R$ 0,15.

 

A gasolina é um desses exemplos de como o Brasil é um país surpreendente. Quando o preço do petróleo estava nas alturas no mundo inteiro, por aqui ele ficou praticamente congelado.
E agora que o óleo está sobrando os preços derretem no mercado internacional e por aqui a gasolina vai ficar mais cara. 

 

Manter a frota de sete ônibus escolares será um desafio. Carla Maestri cuida do transporte de 350 alunos. Com o aumento do preço dos combustíveis, a microempresária pensa em antecipar para este mês o reajuste da mensalidade, previsto para abril. Ela ainda não sabe de quanto será o repasse para os pais. “Vai ser caso a caso e todos vão sofrer com isso porque tudo é repassado ao consumidor final. Não tem com não repassar”

 

O anúncio foi feito esta semana. O governo federal vai aumentar os impostos dos combustíveis. A nova alíquota do PIS Cofins será cobrada a partir de fevereiro. E a Cide, taxa que estava zerada desde 2012, vai voltar em três meses.

 

Nas refinarias, o litro da gasolina deve subir R$ 0,22. E o diesel, R$ 0,15. O custo final para o consumidor pode ser ainda maior. No pico da alta, no mercado internacional, o barril do petróleo chegou a custar U$ 107 em junho de 2014. Agora vem sendo cotado por menos da metade. 
Tendência que não se aplica ao Brasil. O Centro Brasileiro de Infraestrutura fez a comparação. Enquanto a gasolina estava em alta no exterior, o preço era mais baixo no Brasil. E quando o valor caiu lá fora, aqui começou a subir.

 

No início de 2015, o produto está quase 70% mais caro do que no mercado internacional. O diesel custa 53% a mais.

 

Com o anúncio do governo sobre o aumento das alíquotas de tributos sobre combustíveis, o consumidor vai ter que pagar mais caro, mesmo com o preço do barril em queda lá fora. Mas por que o preço do combustível nas bombas segue na contramão da cotação internacional do petróleo?

 

Segundo o Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, o governo brasileiro represou os preços enquanto o valor do barril disparava no mercado externo. E agora não consegue acompanhar a redução da cotação estrangeira porque a Petrobras tenta recuperar o que perdeu nos últimos anos.

 

O especialista em energia Rafael Schechtman estima que o prejuízo da empresa foi de R$ 13 bilhões por vender gasolina mais barata do que no exterior. E calcula que a empresa precisará de seis meses para reequilibrar as contas. “A Petrobras importava esse combustível mais caro e vendia mais barato aqui, além de deixar de ganhar no combustível produzido no Brasil. Agora que o mundo inteiro vai usufruir de uma gasolina mais barata, o que representa isso, representa que o consumidor ao gastar menos, ele dispõe de recursos para gastar em outras coisas, isso vai ajudar a dinamizar a economia de diversos países, enquanto que a nossa não vai usufruir isso, desse benefício”, afirma.

 

Segundo o especialista, outro fator pesa no custo. Metade do preço da gasolina no Brasil é de carga tributária. Nos Estados Unidos, o imposto é de 15%. Na Europa, 65%. Mas mesmo com a carga pesada de impostos, o combustível europeu consegue sair mais barato do que o brasileiro. A diferença é que lá o valor da gasolina acompanha o preço do barril no exterior.

 

Nas ruas, o consumidor reclamou. “A gente que precisa do carro para ir e vir para o nosso trabalho todo início de ano tem aumento de gasolina. Eu não acho isso justo”, diz um motorista.

Governo vai aumentar impostos dos combustíveis. Nas refinarias, litro da gasolina deve subir R$ 0,22. E o diesel, R$ 0,15.


 


A gasolina é um desses exemplos de como o Brasil é um país surpreendente. Quando o preço do petróleo estava nas alturas no mundo inteiro, por aqui ele ficou praticamente congelado.
E agora que o óleo está sobrando os preços derretem no mercado internacional e por aqui a gasolina vai ficar mais cara. 


 


Manter a frota de sete ônibus escolares será um desafio. Carla Maestri cuida do transporte de 350 alunos. Com o aumento do preço dos combustíveis, a microempresária pensa em antecipar para este mês o reajuste da mensalidade, previsto para abril. Ela ainda não sabe de quanto será o repasse para os pais. “Vai ser caso a caso e todos vão sofrer com isso porque tudo é repassado ao consumidor final. Não tem com não repassar”


 


O anúncio foi feito esta semana. O governo federal vai aumentar os impostos dos combustíveis. A nova alíquota do PIS Cofins será cobrada a partir de fevereiro. E a Cide, taxa que estava zerada desde 2012, vai voltar em três meses.


 


Nas refinarias, o litro da gasolina deve subir R$ 0,22. E o diesel, R$ 0,15. O custo final para o consumidor pode ser ainda maior. No pico da alta, no mercado internacional, o barril do petróleo chegou a custar U$ 107 em junho de 2014. Agora vem sendo cotado por menos da metade. 
Tendência que não se aplica ao Brasil. O Centro Brasileiro de Infraestrutura fez a comparação. Enquanto a gasolina estava em alta no exterior, o preço era mais baixo no Brasil. E quando o valor caiu lá fora, aqui começou a subir.


 


PATROCINADORES

No início de 2015, o produto está quase 70% mais caro do que no mercado internacional. O diesel custa 53% a mais.


 


Com o anúncio do governo sobre o aumento das alíquotas de tributos sobre combustíveis, o consumidor vai ter que pagar mais caro, mesmo com o preço do barril em queda lá fora. Mas por que o preço do combustível nas bombas segue na contramão da cotação internacional do petróleo?


 


Segundo o Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, o governo brasileiro represou os preços enquanto o valor do barril disparava no mercado externo. E agora não consegue acompanhar a redução da cotação estrangeira porque a Petrobras tenta recuperar o que perdeu nos últimos anos.


 


O especialista em energia Rafael Schechtman estima que o prejuízo da empresa foi de R$ 13 bilhões por vender gasolina mais barata do que no exterior. E calcula que a empresa precisará de seis meses para reequilibrar as contas. “A Petrobras importava esse combustível mais caro e vendia mais barato aqui, além de deixar de ganhar no combustível produzido no Brasil. Agora que o mundo inteiro vai usufruir de uma gasolina mais barata, o que representa isso, representa que o consumidor ao gastar menos, ele dispõe de recursos para gastar em outras coisas, isso vai ajudar a dinamizar a economia de diversos países, enquanto que a nossa não vai usufruir isso, desse benefício”, afirma.


 


Segundo o especialista, outro fator pesa no custo. Metade do preço da gasolina no Brasil é de carga tributária. Nos Estados Unidos, o imposto é de 15%. Na Europa, 65%. Mas mesmo com a carga pesada de impostos, o combustível europeu consegue sair mais barato do que o brasileiro. A diferença é que lá o valor da gasolina acompanha o preço do barril no exterior.


 


Nas ruas, o consumidor reclamou. “A gente que precisa do carro para ir e vir para o nosso trabalho todo início de ano tem aumento de gasolina. Eu não acho isso justo”, diz um motorista.


Governo vai aumentar impostos dos combustíveis. Nas refinarias, litro da gasolina deve subir R$ 0,22. E o diesel, R$ 0,15.



A gasolina é um desses exemplos de como o Brasil é um país surpreendente. Quando o preço do petróleo estava nas alturas no mundo inteiro, por aqui ele ficou praticamente congelado.
E agora que o óleo está sobrando os preços derretem no mercado internacional e por aqui a gasolina vai ficar mais cara. 



Manter a frota de sete ônibus escolares será um desafio. Carla Maestri cuida do transporte de 350 alunos. Com o aumento do preço dos combustíveis, a microempresária pensa em antecipar para este mês o reajuste da mensalidade, previsto para abril. Ela ainda não sabe de quanto será o repasse para os pais. “Vai ser caso a caso e todos vão sofrer com isso porque tudo é repassado ao consumidor final. Não tem com não repassar”



O anúncio foi feito esta semana. O governo federal vai aumentar os impostos dos combustíveis. A nova alíquota do PIS Cofins será cobrada a partir de fevereiro. E a Cide, taxa que estava zerada desde 2012, vai voltar em três meses.



PATROCINADORES

Nas refinarias, o litro da gasolina deve subir R$ 0,22. E o diesel, R$ 0,15. O custo final para o consumidor pode ser ainda maior. No pico da alta, no mercado internacional, o barril do petróleo chegou a custar U$ 107 em junho de 2014. Agora vem sendo cotado por menos da metade. 
Tendência que não se aplica ao Brasil. O Centro Brasileiro de Infraestrutura fez a comparação. Enquanto a gasolina estava em alta no exterior, o preço era mais baixo no Brasil. E quando o valor caiu lá fora, aqui começou a subir.



No início de 2015, o produto está quase 70% mais caro do que no mercado internacional. O diesel custa 53% a mais.



Com o anúncio do governo sobre o aumento das alíquotas de tributos sobre combustíveis, o consumidor vai ter que pagar mais caro, mesmo com o preço do barril em queda lá fora. Mas por que o preço do combustível nas bombas segue na contramão da cotação internacional do petróleo?



PATROCINADORES

Segundo o Diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, o governo brasileiro represou os preços enquanto o valor do barril disparava no mercado externo. E agora não consegue acompanhar a redução da cotação estrangeira porque a Petrobras tenta recuperar o que perdeu nos últimos anos.



O especialista em energia Rafael Schechtman estima que o prejuízo da empresa foi de R$ 13 bilhões por vender gasolina mais barata do que no exterior. E calcula que a empresa precisará de seis meses para reequilibrar as contas. “A Petrobras importava esse combustível mais caro e vendia mais barato aqui, além de deixar de ganhar no combustível produzido no Brasil. Agora que o mundo inteiro vai usufruir de uma gasolina mais barata, o que representa isso, representa que o consumidor ao gastar menos, ele dispõe de recursos para gastar em outras coisas, isso vai ajudar a dinamizar a economia de diversos países, enquanto que a nossa não vai usufruir isso, desse benefício”, afirma.



Segundo o especialista, outro fator pesa no custo. Metade do preço da gasolina no Brasil é de carga tributária. Nos Estados Unidos, o imposto é de 15%. Na Europa, 65%. Mas mesmo com a carga pesada de impostos, o combustível europeu consegue sair mais barato do que o brasileiro. A diferença é que lá o valor da gasolina acompanha o preço do barril no exterior.



Nas ruas, o consumidor reclamou. “A gente que precisa do carro para ir e vir para o nosso trabalho todo início de ano tem aumento de gasolina. Eu não acho isso justo”, diz um motorista.



Veja Também