news:

Bem Estar

Nova DST descoberta pode afetar milhões de pessoas de forma silenciosa

Publicado por TV Minas em 14/11/2015

foto_principal.jpg

De acordo com os cientistas de uma nova pesquisa, milhões de pessoas poderiam, involuntariamente, estar carregando uma infecção sexualmente transmissível identificada recentemente.

 

Uma nova pesquisa revelou que uma infecção causada pela bactéria Mycoplasma genitalium (MG), identificada pela primeira vez há mais de 30 anos, é transferida através do contato sexual. Estima-se que, agora, um por cento da população do Reino Unido, local da pesquisa, com idades entre 16 e 44 anos, esteja infectada. Muitos desconhecem a condição, pois ela raramente apresenta sintomas. As pessoas que têm mais parceiros sexuais, não usam preservativos e vivem em áreas carentes têm mais probabilidade de teste positivo.

 

Em particular, os pesquisadores acreditam que mais de 90% dos casos em homens e 66% em mulheres ocorram em pessoas com idade entre 25 e 44 anos. Essas pessoas são menos propensas a serem diagnosticadas por não estarem incluídos nas medidas de prevenção atuais de DST, destinadas aos jovens – na Inglaterra. Os efeitos a longo prazo de MG ainda não são claros, mas pesquisas mostram que a condição pode causar inflamação da uretra e/ou do colo, doença inflamatória pélvica e infertilidade feminina.

 

O aviso veio a público após os cientistas analisaram 4.500 dados da terceira Pesquisa Nacional de Atitudes Sexuais e Estilos de Vida da Grã-Bretanha. Eles descobriram que a MG foi prevalente em até 1% da população, da faixa de risco, relatando pelo menos um parceiro sexual ativo. No entanto, a taxa de infecção era muito maior naqueles que relataram mais de quatro parceiros sexuais nos últimos anos, em 5,2% nos homens e 3,1% nas mulheres. A teoria de que MG é uma doença sexualmente transmissível foi reforçada pelo fato de que os 200 jovens de 16 e 17 anos que não tinham tido relações sexuais não apresentaram nenhum sinal de infecção.

 

O estudo também analisou fatores de risco para a MG, como a etnia, número de parceiros e áreas de privação. Houve forte associação com comportamentos sexuais de risco, como acontece com outras DST’s conhecidas.

 

Os autores descobriram que os homens negros e os que vivem nas áreas mais necessitadas eram mais propensos a possui MG. Os dados são preocupantes, pois a maioria dos participantes com a doença não apresentaram sintomas de DST no último mês. Os poucos que tiveram, apresentaram sangramento após a relação sexual.

 

De acordo com o Dr. Pam Sonnenberg, autor principal do artigo, mais pesquisas são necessárias para entender como testar e tratar a infecção MG e quais as possíveis complicações a longo prazo.

 

Os resultados, publicados no International Journal of Epidemiology, apareceram após um recente surto de super gonorreia no Reino Unido e outros vários casos de DST’s resistentes a medicamentos nos últimos anos, virando um grave caso de saúde pública local.

De acordo com os cientistas de uma nova pesquisa, milhões de pessoas poderiam, involuntariamente, estar carregando uma infecção sexualmente transmissível identificada recentemente.


 


Uma nova pesquisa revelou que uma infecção causada pela bactéria Mycoplasma genitalium (MG), identificada pela primeira vez há mais de 30 anos, é transferida através do contato sexual. Estima-se que, agora, um por cento da população do Reino Unido, local da pesquisa, com idades entre 16 e 44 anos, esteja infectada. Muitos desconhecem a condição, pois ela raramente apresenta sintomas. As pessoas que têm mais parceiros sexuais, não usam preservativos e vivem em áreas carentes têm mais probabilidade de teste positivo.


 


Em particular, os pesquisadores acreditam que mais de 90% dos casos em homens e 66% em mulheres ocorram em pessoas com idade entre 25 e 44 anos. Essas pessoas são menos propensas a serem diagnosticadas por não estarem incluídos nas medidas de prevenção atuais de DST, destinadas aos jovens – na Inglaterra. Os efeitos a longo prazo de MG ainda não são claros, mas pesquisas mostram que a condição pode causar inflamação da uretra e/ou do colo, doença inflamatória pélvica e infertilidade feminina.


 


O aviso veio a público após os cientistas analisaram 4.500 dados da terceira Pesquisa Nacional de Atitudes Sexuais e Estilos de Vida da Grã-Bretanha. Eles descobriram que a MG foi prevalente em até 1% da população, da faixa de risco, relatando pelo menos um parceiro sexual ativo. No entanto, a taxa de infecção era muito maior naqueles que relataram mais de quatro parceiros sexuais nos últimos anos, em 5,2% nos homens e 3,1% nas mulheres. A teoria de que MG é uma doença sexualmente transmissível foi reforçada pelo fato de que os 200 jovens de 16 e 17 anos que não tinham tido relações sexuais não apresentaram nenhum sinal de infecção.


PATROCINADORES

 


O estudo também analisou fatores de risco para a MG, como a etnia, número de parceiros e áreas de privação. Houve forte associação com comportamentos sexuais de risco, como acontece com outras DST’s conhecidas.


 


Os autores descobriram que os homens negros e os que vivem nas áreas mais necessitadas eram mais propensos a possui MG. Os dados são preocupantes, pois a maioria dos participantes com a doença não apresentaram sintomas de DST no último mês. Os poucos que tiveram, apresentaram sangramento após a relação sexual.


 


De acordo com o Dr. Pam Sonnenberg, autor principal do artigo, mais pesquisas são necessárias para entender como testar e tratar a infecção MG e quais as possíveis complicações a longo prazo.


 


Os resultados, publicados no International Journal of Epidemiology, apareceram após um recente surto de super gonorreia no Reino Unido e outros vários casos de DST’s resistentes a medicamentos nos últimos anos, virando um grave caso de saúde pública local.


De acordo com os cientistas de uma nova pesquisa, milhões de pessoas poderiam, involuntariamente, estar carregando uma infecção sexualmente transmissível identificada recentemente.



Uma nova pesquisa revelou que uma infecção causada pela bactéria Mycoplasma genitalium (MG), identificada pela primeira vez há mais de 30 anos, é transferida através do contato sexual. Estima-se que, agora, um por cento da população do Reino Unido, local da pesquisa, com idades entre 16 e 44 anos, esteja infectada. Muitos desconhecem a condição, pois ela raramente apresenta sintomas. As pessoas que têm mais parceiros sexuais, não usam preservativos e vivem em áreas carentes têm mais probabilidade de teste positivo.



Em particular, os pesquisadores acreditam que mais de 90% dos casos em homens e 66% em mulheres ocorram em pessoas com idade entre 25 e 44 anos. Essas pessoas são menos propensas a serem diagnosticadas por não estarem incluídos nas medidas de prevenção atuais de DST, destinadas aos jovens – na Inglaterra. Os efeitos a longo prazo de MG ainda não são claros, mas pesquisas mostram que a condição pode causar inflamação da uretra e/ou do colo, doença inflamatória pélvica e infertilidade feminina.



PATROCINADORES

O aviso veio a público após os cientistas analisaram 4.500 dados da terceira Pesquisa Nacional de Atitudes Sexuais e Estilos de Vida da Grã-Bretanha. Eles descobriram que a MG foi prevalente em até 1% da população, da faixa de risco, relatando pelo menos um parceiro sexual ativo. No entanto, a taxa de infecção era muito maior naqueles que relataram mais de quatro parceiros sexuais nos últimos anos, em 5,2% nos homens e 3,1% nas mulheres. A teoria de que MG é uma doença sexualmente transmissível foi reforçada pelo fato de que os 200 jovens de 16 e 17 anos que não tinham tido relações sexuais não apresentaram nenhum sinal de infecção.



O estudo também analisou fatores de risco para a MG, como a etnia, número de parceiros e áreas de privação. Houve forte associação com comportamentos sexuais de risco, como acontece com outras DST’s conhecidas.



PATROCINADORES

Os autores descobriram que os homens negros e os que vivem nas áreas mais necessitadas eram mais propensos a possui MG. Os dados são preocupantes, pois a maioria dos participantes com a doença não apresentaram sintomas de DST no último mês. Os poucos que tiveram, apresentaram sangramento após a relação sexual.



De acordo com o Dr. Pam Sonnenberg, autor principal do artigo, mais pesquisas são necessárias para entender como testar e tratar a infecção MG e quais as possíveis complicações a longo prazo.



Os resultados, publicados no International Journal of Epidemiology, apareceram após um recente surto de super gonorreia no Reino Unido e outros vários casos de DST’s resistentes a medicamentos nos últimos anos, virando um grave caso de saúde pública local.



Veja Também