news:

Sul de Minas

Alunos de Pouso Alegre se destacam na Olimpíada Brasileira de Astronomia

Publicado por TV Minas em 15/11/2015

foto_principal.jpg

Alunos de escolas municipais conquistam grande desempenho durante avaliação.

 

Quatro alunos da Rede Municipal de Ensino de Pouso Alegre se destacaram na XVIII Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), sendo três medalhistas de ouro e um de bronze. Outros 24 alunos das redes de ensino público e particular tiveram destaque durante avaliação.

 

As premiações foram entreguees para os alunos Kayky Couto Carvalho Silvério da Fonseca, do 6º ano do Ensino Fundamental 2, da Escola Municipal Dom Otávio, Thaynná da Silva Prado e Mateus Henrique Palma, da E. M. Doutor Vasconcelos Costa e Juan Antônio Borges Felipe, da E. M. Dr. Ângelo Consoli.

 

Os professores realizaram inúmeras atividades para preparar os estudantes, com avaliações, estudos, aulas extras e visitações ao observatório do Pico dos Dias, no município de Brazópolis, de acordo com o cronograma de cada escola.

 

O Prefeito Agnaldo Perugini se alegrou com a conquista dos alunos. “Isso representa a qualidade do trabalho desenvolvido nas escolas, em especial pelos professores e o empenho de cada aluno, que com dedicação alcança seus objetivos” destaca.

 

 

Sobre a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica

 

A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) é um evento anual, coordenado pelo professor Dr. João Batista Garcia Canalle, do Instituto de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), dividida em quatro níveis, que são nível 1 e 2 para o ensino fundamental I, nível 3 para o ensino fundamental II e nível 4 para o segundo grau, destinada a todo território nacional.

 

Neste ano, 9.552 escolas de todo e Brasil participaram, concorrendo com 838.156 alunos de vários estados brasileiros.

 

A Olimpíada tem por objetivo estimular o estudo da astronomia, difundir conhecimentos na área de pesquisa astronômica e selecionar equipes para participarem das Olimpíadas Internacionais de Astronomia e Astrofísica (IOAA), na qual o Brasil já ganhou duas medalhas de bronze e o prêmio de melhor prova em equipe, em 2014, na Romênia, além de ganhar três medalhas de ouro na VI Olimpíada Latino Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA), no mesmo ano, no Uruguai.

 

As provas da Olimpíada contêm 10 questões abertas, com enunciados longos, que requerem do aluno habilidades de concentração, interpretação, transcendência de conhecimentos científicos, históricos, geográficos, matemáticos e geométricos, além de visão espacial, leitura extraclasse e atualização de informações sobre as descobertas científicas.

 

Ao se inscrever para este evento, a escola recebe um manual de instruções contendo carta explicativa, regulamento, atividades práticas, ficha de controle e inscrição de alunos.

 

A escola participante deste recebe ao final de cada ano materiais didáticos variados, como galileioscópio (luneta), livros didáticos, jornais informativos, exemplares de revistas científicas, dentre outros.

Alunos de escolas municipais conquistam grande desempenho durante avaliação.


 


Quatro alunos da Rede Municipal de Ensino de Pouso Alegre se destacaram na XVIII Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), sendo três medalhistas de ouro e um de bronze. Outros 24 alunos das redes de ensino público e particular tiveram destaque durante avaliação.


 


As premiações foram entreguees para os alunos Kayky Couto Carvalho Silvério da Fonseca, do 6º ano do Ensino Fundamental 2, da Escola Municipal Dom Otávio, Thaynná da Silva Prado e Mateus Henrique Palma, da E. M. Doutor Vasconcelos Costa e Juan Antônio Borges Felipe, da E. M. Dr. Ângelo Consoli.


 


Os professores realizaram inúmeras atividades para preparar os estudantes, com avaliações, estudos, aulas extras e visitações ao observatório do Pico dos Dias, no município de Brazópolis, de acordo com o cronograma de cada escola.


 


O Prefeito Agnaldo Perugini se alegrou com a conquista dos alunos. “Isso representa a qualidade do trabalho desenvolvido nas escolas, em especial pelos professores e o empenho de cada aluno, que com dedicação alcança seus objetivos” destaca.


 


 


Sobre a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica


PATROCINADORES

 


A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) é um evento anual, coordenado pelo professor Dr. João Batista Garcia Canalle, do Instituto de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), dividida em quatro níveis, que são nível 1 e 2 para o ensino fundamental I, nível 3 para o ensino fundamental II e nível 4 para o segundo grau, destinada a todo território nacional.


 


Neste ano, 9.552 escolas de todo e Brasil participaram, concorrendo com 838.156 alunos de vários estados brasileiros.


 


A Olimpíada tem por objetivo estimular o estudo da astronomia, difundir conhecimentos na área de pesquisa astronômica e selecionar equipes para participarem das Olimpíadas Internacionais de Astronomia e Astrofísica (IOAA), na qual o Brasil já ganhou duas medalhas de bronze e o prêmio de melhor prova em equipe, em 2014, na Romênia, além de ganhar três medalhas de ouro na VI Olimpíada Latino Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA), no mesmo ano, no Uruguai.


 


As provas da Olimpíada contêm 10 questões abertas, com enunciados longos, que requerem do aluno habilidades de concentração, interpretação, transcendência de conhecimentos científicos, históricos, geográficos, matemáticos e geométricos, além de visão espacial, leitura extraclasse e atualização de informações sobre as descobertas científicas.


 


Ao se inscrever para este evento, a escola recebe um manual de instruções contendo carta explicativa, regulamento, atividades práticas, ficha de controle e inscrição de alunos.


 


A escola participante deste recebe ao final de cada ano materiais didáticos variados, como galileioscópio (luneta), livros didáticos, jornais informativos, exemplares de revistas científicas, dentre outros.


Alunos de escolas municipais conquistam grande desempenho durante avaliação.



Quatro alunos da Rede Municipal de Ensino de Pouso Alegre se destacaram na XVIII Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), sendo três medalhistas de ouro e um de bronze. Outros 24 alunos das redes de ensino público e particular tiveram destaque durante avaliação.



As premiações foram entreguees para os alunos Kayky Couto Carvalho Silvério da Fonseca, do 6º ano do Ensino Fundamental 2, da Escola Municipal Dom Otávio, Thaynná da Silva Prado e Mateus Henrique Palma, da E. M. Doutor Vasconcelos Costa e Juan Antônio Borges Felipe, da E. M. Dr. Ângelo Consoli.



Os professores realizaram inúmeras atividades para preparar os estudantes, com avaliações, estudos, aulas extras e visitações ao observatório do Pico dos Dias, no município de Brazópolis, de acordo com o cronograma de cada escola.



PATROCINADORES

O Prefeito Agnaldo Perugini se alegrou com a conquista dos alunos. “Isso representa a qualidade do trabalho desenvolvido nas escolas, em especial pelos professores e o empenho de cada aluno, que com dedicação alcança seus objetivos” destaca.



Sobre a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica



A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) é um evento anual, coordenado pelo professor Dr. João Batista Garcia Canalle, do Instituto de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), dividida em quatro níveis, que são nível 1 e 2 para o ensino fundamental I, nível 3 para o ensino fundamental II e nível 4 para o segundo grau, destinada a todo território nacional.



Neste ano, 9.552 escolas de todo e Brasil participaram, concorrendo com 838.156 alunos de vários estados brasileiros.



PATROCINADORES

A Olimpíada tem por objetivo estimular o estudo da astronomia, difundir conhecimentos na área de pesquisa astronômica e selecionar equipes para participarem das Olimpíadas Internacionais de Astronomia e Astrofísica (IOAA), na qual o Brasil já ganhou duas medalhas de bronze e o prêmio de melhor prova em equipe, em 2014, na Romênia, além de ganhar três medalhas de ouro na VI Olimpíada Latino Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA), no mesmo ano, no Uruguai.



As provas da Olimpíada contêm 10 questões abertas, com enunciados longos, que requerem do aluno habilidades de concentração, interpretação, transcendência de conhecimentos científicos, históricos, geográficos, matemáticos e geométricos, além de visão espacial, leitura extraclasse e atualização de informações sobre as descobertas científicas.



Ao se inscrever para este evento, a escola recebe um manual de instruções contendo carta explicativa, regulamento, atividades práticas, ficha de controle e inscrição de alunos.



A escola participante deste recebe ao final de cada ano materiais didáticos variados, como galileioscópio (luneta), livros didáticos, jornais informativos, exemplares de revistas científicas, dentre outros.



Veja Também