news:

Notícias

Hospital do Rio liberou paciente com a barriga extremamente dilatada

Publicado por TV Minas em 04/01/2016

foto_principal.jpg

Sobrinho afirma que estado de saúde do homem se agrava cada vez mais. Pacientes de outras unidades do estado reclamam de problemas.

 

No Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, pacientes enfrentaram dificuldades para conseguir atendimento e fazer exames de imagem.

 

O tio do auxiliar administrativo Vítor Hugo de Castro recebeu alta, mesmo com um problema visível: uma barriga extremamente dilatada. Ele pede socorro e afirma que o estado de saúde do parente está se agravando, mas nenhuma providência é tomada.

 

“Ele chegou aqui com uma barriga imensa, e a gente não teve solução. O médico disse apenas que ele tinha o fígado grande e o coração grande. E o resultado, qual é? Nenhum. Porque ele está saindo daqui de um jeito pior do que entrou. Ele está com falta de ar e a vista dele está amarela”, contou Vítor.

 

A dona de casa Roseline Rodrigues vai gastar R$ 270 para ajudar uma vizinha, que precisa fazer uma tomografia na rede privada.

 

“Eu cheguei com a minha vizinha ontem [domingo], às 13h. Ficamos até às 19h para fazer o exame dela. E agora o médico afirmou que ela precisa fazer uma tomografia do cérebro. E ele falou que está quebrado e que tem que esperar vaga em outro hospital para fazer”, afirmou a dona de casa, que afirma que não pode esperar.

 

Os pacientes afirmam que os corredores estão lotados e que faltam leitos.

 

 

Crise

 

A crise na Saúde do Rio Janeiro fechou unidades, deixou pacientes sem atendimento e funcionários sem salários e insumos para trabalhar. Segundo o governo, a grande questão é a queda na arrecadação do estado, causada principalmente pela baixa no preço do petróleo e a diminuição dos royalties e a redução da arrecadação com o ICMS, o imposto sobre produtos.

 

Sem verba, o governo iniciou cortes e atrasos em pagamentos. Servidores e terceirizados pararam de receber, fornecedores também. Sem insumos e funcionários em condições precárias de trabalho, unidades reduziram ou interromperam atendimento. Por ser de primeira necessidade, a saúde acabou sendo a principal expressão da crise financeira que assola vários setores do estado.

Sobrinho afirma que estado de saúde do homem se agrava cada vez mais. Pacientes de outras unidades do estado reclamam de problemas.


 


No Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, pacientes enfrentaram dificuldades para conseguir atendimento e fazer exames de imagem.


 


O tio do auxiliar administrativo Vítor Hugo de Castro recebeu alta, mesmo com um problema visível: uma barriga extremamente dilatada. Ele pede socorro e afirma que o estado de saúde do parente está se agravando, mas nenhuma providência é tomada.


 


“Ele chegou aqui com uma barriga imensa, e a gente não teve solução. O médico disse apenas que ele tinha o fígado grande e o coração grande. E o resultado, qual é? Nenhum. Porque ele está saindo daqui de um jeito pior do que entrou. Ele está com falta de ar e a vista dele está amarela”, contou Vítor.


 


A dona de casa Roseline Rodrigues vai gastar R$ 270 para ajudar uma vizinha, que precisa fazer uma tomografia na rede privada.


 


PATROCINADORES

“Eu cheguei com a minha vizinha ontem [domingo], às 13h. Ficamos até às 19h para fazer o exame dela. E agora o médico afirmou que ela precisa fazer uma tomografia do cérebro. E ele falou que está quebrado e que tem que esperar vaga em outro hospital para fazer”, afirmou a dona de casa, que afirma que não pode esperar.


 


Os pacientes afirmam que os corredores estão lotados e que faltam leitos.


 


 


Crise


 


A crise na Saúde do Rio Janeiro fechou unidades, deixou pacientes sem atendimento e funcionários sem salários e insumos para trabalhar. Segundo o governo, a grande questão é a queda na arrecadação do estado, causada principalmente pela baixa no preço do petróleo e a diminuição dos royalties e a redução da arrecadação com o ICMS, o imposto sobre produtos.


 


Sem verba, o governo iniciou cortes e atrasos em pagamentos. Servidores e terceirizados pararam de receber, fornecedores também. Sem insumos e funcionários em condições precárias de trabalho, unidades reduziram ou interromperam atendimento. Por ser de primeira necessidade, a saúde acabou sendo a principal expressão da crise financeira que assola vários setores do estado.


Sobrinho afirma que estado de saúde do homem se agrava cada vez mais. Pacientes de outras unidades do estado reclamam de problemas.



No Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, pacientes enfrentaram dificuldades para conseguir atendimento e fazer exames de imagem.



O tio do auxiliar administrativo Vítor Hugo de Castro recebeu alta, mesmo com um problema visível: uma barriga extremamente dilatada. Ele pede socorro e afirma que o estado de saúde do parente está se agravando, mas nenhuma providência é tomada.



PATROCINADORES

“Ele chegou aqui com uma barriga imensa, e a gente não teve solução. O médico disse apenas que ele tinha o fígado grande e o coração grande. E o resultado, qual é? Nenhum. Porque ele está saindo daqui de um jeito pior do que entrou. Ele está com falta de ar e a vista dele está amarela”, contou Vítor.



A dona de casa Roseline Rodrigues vai gastar R$ 270 para ajudar uma vizinha, que precisa fazer uma tomografia na rede privada.



“Eu cheguei com a minha vizinha ontem [domingo], às 13h. Ficamos até às 19h para fazer o exame dela. E agora o médico afirmou que ela precisa fazer uma tomografia do cérebro. E ele falou que está quebrado e que tem que esperar vaga em outro hospital para fazer”, afirmou a dona de casa, que afirma que não pode esperar.



PATROCINADORES

Os pacientes afirmam que os corredores estão lotados e que faltam leitos.



Crise



A crise na Saúde do Rio Janeiro fechou unidades, deixou pacientes sem atendimento e funcionários sem salários e insumos para trabalhar. Segundo o governo, a grande questão é a queda na arrecadação do estado, causada principalmente pela baixa no preço do petróleo e a diminuição dos royalties e a redução da arrecadação com o ICMS, o imposto sobre produtos.



Sem verba, o governo iniciou cortes e atrasos em pagamentos. Servidores e terceirizados pararam de receber, fornecedores também. Sem insumos e funcionários em condições precárias de trabalho, unidades reduziram ou interromperam atendimento. Por ser de primeira necessidade, a saúde acabou sendo a principal expressão da crise financeira que assola vários setores do estado.



Veja Também